Acigames e a polêmica declaração sobre a “taxação do Steam”

Tags: ACIGAMES, acigames polêmica, jogo justo, moacyr alves

Depois da polêmica declaração sobre a ideia de taxação do Steam, que foi feita em entrevista ao Checkpoint, Moacyr Alves – presidente da Acigames e idealizador do Jogo Justo – finalmente divulgou uma carta explicando o que, segundo ele, teria realmente acontecido:

 LEIA A CARTA ABERTA DA ACIGAMES AQUI.

Estava esperando esse pronunciamento oficial da parte acusada para poder tocar nesse assunto. Particularmente, eu espero mesmo que – assim como o Moacyr disse nessa carta – ele tenha se equivocado ao falar sobre a taxação de meios digitais para download de jogos em servidores estrangeiros, porque isso não faz o menor sentido mesmo. Deixem nosso Steam em paz!

No entanto, parece – ao menos para mim – que no vídeo do Checkpoint ele realmente disse o que disse (veja no vídeo logo abaixo), o que me deixou bastante preocupada. Não vou ficar aqui atirando pedras, ofendendo e cuspindo marimbondos na Acigames, Jogo Justo, politicagem (que sempre existiu e sempre existirá) e o que seja, mas apenas gostaria de dar um posicionamento aos leitores do Girls of War de que nós não apoiamos nenhum tipo de taxação extra aos nossos jogos eletrônicos.

Já sofremos o suficiente com os preços abusivos praticados em algumas lojas físicas que, apesar de entender que eles têm que pagar impostos ao governo e repassam isso ao consumidor, não acho justo e não compro mais jogo por 199,00 Reais. Sinto muito pelos lojistas, mas eu não planto dinheiro no quintal de casa.

Por isso é importante que o consumidor, neste caso nós jogadores, tenha o livre arbítrio para pesquisar outros lugares para comprar o seu jogo, seja essa compra feita no Brasil ou não, e que não tenha que vender os órgãos para pagar taxas que, por vezes, somam quase que o valor do produto comprado. E, por favor, não me venham com o discurso protecionista de que a taxação dos jogos que forem ser importados e/ou adquiridos digitalmente é para proteger a indústria nacional porque também não faz sentido! E por um simples motivo: o Brasil ainda não produz jogos eletrônicos numa demanda suficiente para concorrer com a indústria AAA internacional.

O protecionismo só faz algum sentido quando o país que o aplica produz algo que possa sofrer concorrência em pé de igualdade com um produto estrangeiro. O Brasil adota o protecionismo na produção nacional de laranjas, por exemplo. Para piorar, nossa “querida” Presidente Dilma Rousseff já fez o favor de aumentar o IOF no início do seu mandato e a alfândega está mais afiada do que nunca. Se duvidar, até palito de dente é taxado se for importado.

Com tudo isso dito, falar de mais um imposto para o brasileiro é pedir mesmo para ser crucificado. Esse é um tema muuuito delicado e não pode ser citado de forma que dê margem a dupla interpretação. Em minha opinião, e sem querer dar conselhos a ninguém, uma pessoa pública tem a obrigação de tomar muito cuidado com o que diz. Uma mísera vírgula no lugar errado pode desabar uma verdadeira avalanche – como o que aconteceu.

Para finalizar e deixar que vocês leitores emitam suas opiniões, apenas gostaria de acrescentar que hoje ainda não posso dizer, com 100% de certeza, qual será meu posicionamento perante o Jogo Justo e a Acigames no futuro, mas com absoluta certeza acompanharei de perto o desenrolar desse assunto e já garanto que estarei muito mais crítica e com a “pulga atrás da orelha” sobre a Associação e seus atos.

Nós gamers estamos de olho!

Vivi Werneck
Share on Tumblr
Feed do Post
170 Comentários em "Acigames e a polêmica declaração sobre a “taxação do Steam”"
  1. 26/04/2012

    Formação de cartel não rola.

  2. 26/04/2012

    Nossa, eu fiquei passada com um post que vi no Facebook do Moacy. Tudo levava a crer que eles tinham alguma coisa a ver com os atrasos nas entregas de compras internacionais. Estou realmente triste, pois apoio a ACI games porque já até discuti com amigos protegendo-a. Mas vamos aguardar e ver o que vai acontecer, porém com os dois pés atrás.

    • 26/04/2012

      postado nos comentarios do KOTAKU.com.br sobre o assunto da demora em importações

      [img]http://mheona.com/moacyr.png[/img]

      Não tem photoshop, vi no twitter um tweet idêntico. Estranho acusarem blogs de distorção de qualquer tipo sendo que: ou ele se expressou mal e não admite, ou tem 2 discursos pra um publico (gamers) e pra outro (lojistas, seus associados).

  3. leandro(leon belmont)alves
    26/04/2012

    taxas no Steam? isso vai dar em Mer@#$#%

    Acigames, Jogo Justo….eles que nem se manifestaram quando aplicou aquela lei ridícula, que graças a Deus foi censurada…por enquanto. só espero que isso não vá além.

    e apoio, não vou comprar um Final Fantasy XIII por 200 reais… é um roubo, e isso porque o jogo, foi “uma bagaça”.

    • 26/04/2012

      Concordo. Tanto o XIII quanto o XIII-2.
      Final Fantasy deixou de ser Final Fantasy à partir do XI.

  4. Hawk
    26/04/2012

    O que eu entendi da declaração da Acigames/Moacyr, foi o seguinte: “Nós somente fazemos sugestões, pois eu sou apenas conselheiro do Ministério, se o Governo vai taxar os serviços de distribuição, a culpa não é nossa.”

  5. 26/04/2012

    Acho que a posição ao qual o Moacyr se encontra é muito delicada. Ao mesmo tempo em que ele tem um determinado “poder” acerca de sua consultoria sobre jogos eletrônicos no governo, ele também tem a pressão por parte desse mesmo governo, que ainda abusa de taxações e impostos. Se o governo decidir mesmo taxar os jogos adquiridos via steam, por exemplo, a notícia virá desse próprio Moacyr, e dado seu histórico, vai ser uma verdadeira contradição a tudo pelo qual ele tem dito. Aparentemente (e é só aparentemente mesmo! Nada de certezas aqui), a Acigames vai se encaminhando para se tornar mais uma ferramenta do governo no que diz respeito aos games no Brasil, cujo principal instrumento será a figura pública chamada Moacyr Alves. Não sou consumidor do Steam, mas entendo que esse seria o princípio de algo muito pior: um mercado abusivo para o qual nós jogadores não teremos pra onde correr.

  6. 26/04/2012

    Pois é, que coisa esse rolo todo O__O
    Resumindo, fiquei feliz porque os gamers protestaram contra o assunto e rapidamente Moacyr e Acigames tentaram se retratar.
    Triste por ver a falta de educação de muitas pessoas. Em vez de solicitar explicações, preferiam difamar o Moacyr e a Acigames… lamentável.
    Esse negócio do Moacyr ter cargo no governo não vi com bons olhos, pois por que o governo daria um cargo governamental (que paga muito bem) para a pessoa ser contra o governo?
    Continuemos de olhos vivo ;)

    • Siri
      02/05/2012

      Onde o cargo dele é contra o Governo?

  7. 26/04/2012

    Eu até entendo o lado do Moacyr em querer taxar os games online para proteger os lojistas, entendo mas não concordo.

    Primeiro por que essa é uma guerra que já está acontecendo naturalmente em outros paises, lojas fisicas VS lojas online, e os games apenas estão entrando na briga.

    Hoje no Brasil quase todas as lojas de varejo estão criando suas lojas online, americanas, casabahia,extra, carrefour entre outras.

    E os consumidores estão começando a confiar nas compras online, e é claro que quando as lojas online superarem as vendas das lojas fisicas, existe uma grande possibilidade do fechamento de muitas lojas do tipo americanas entre outras, afinal o custo de uma loja fisica é muito maior do que o custo de uma loja online.

    Mas como eu disse, isso faz parte da evolução e é uma nova tendencia de mercado.

    Agora querer aumentar os preços de mídias online para conseguir dar algum tempo a mais de sobrevivencia as lojas fisicas, é apenas tampar o Sol com a peneira e prejudicar os consumidores.

    Existe outras formas de não prejudicar os lojistas e uma delas pode ser uma parceria com os fabricantes e desenvolvedores de jogos, afinal o que a Sony ou Microsoft estão fazendo hoje em dia é exatamente tirar o lojista do meio da jogada, já que compramos diretamente dos fabricantes.

    O que nós faz pensar o quanto os fabricantes estão ganhando dinheiro com essas vendas online, afinal alguns jogos (os lançamentos) são lançados pelo mesmo preço tanto na loja fisica quanto na loja online (R$199,00) porem na loja fisica 40% desse valor é o lucro da loja e esse lucro da loja não é retirado da loja online. Afinal vc compra direto da fabrica e paga o lucro do lojista já embutido no preço, sem que tenha passado pelo lojista é claro.
    Não existe leis que irão resolver esse assunto, apenas o mercado irá se ajeitar como sempre fez, e os mais fortes irão sobreviver.
    Alguem mais está com saudades das locadoras de filmes? Netflix e outros servicos estão apenas ajudando a enterrar o que restou das locadoras. Mas como já mencionei, isso faz parte da evolução natural do mercado.

  8. georges
    26/04/2012

    É um tema bem delicado. A parte mais polêmica foi ele ter dito que fazer compras pelo STEAM é ilegal. Não sou consumidor do Steam mas, tentar relacionar comprar por download com ilegalidade não faz muito sentido e, depois dessa declaração não fica tão difícil pensar que a ACIGAMES virou só mais um produto do governo pra apenas poder sugar mais e mais do povo Brasileiro.

    “…Também não acho justo tacar pedras no cara, mesmo porque a ACIGAMES já fez bastante por nós então vamos ver o que acontece daqui pra frente.” Senti firmeza nessa parte.

    apenas gostaria de acrescentar que hoje ainda não posso dizer, com 100% de certeza, qual será meu posicionamento perante o Jogo Justo e a Acigames no futuro, mas com absoluta certeza acompanharei de perto o desenrolar desse assunto e já garanto que estarei muito mais crítica e com a “pulga atrás da orelha” sobre a Associação e seus atos.

  9. Pancamo
    26/04/2012

    Fez o que pela gente? colocou meioa duzia de jogos antigos por 100 reais? pra livrar as lojas de stock antigos? já ficou bem claro que intenção dele é de favorecer empresas e lojas.

  10. Rogerio
    26/04/2012

    Triste ver uma causa nobre debandar pra outro lado desse jeito… Enfim…

    Acho que esse tipo de coisas contribui ainda mais com a revolta dos gamers e o incentivo pra usarem produtos piratas, já que não se tem preços REALMENTE justos cobrados no Brasil com raras excessões, que agora querem tributar… rsrsrs cômico!

    • leandro(leon belmont)alves
      26/04/2012

      estou achando que eles se venderam….malditos

  11. Hélio
    26/04/2012

    Sinto uma certa vergonha de ter acreditado no Jogo Justo qdo este foi divulgado no início. Não acho q ele promoveu uma melhoria significativa no preço pago pelos games.
    A verdade é q o verdadeiro “Jogo Justo” é o Steam, da Valve. Dá pra entender perfeitamente pq o jogador brasileiro muitas vezes opta por ser PCista ao invés de apoiar os consoles. É ridículo pagar 180 reais num jogo ou mais!
    Não faz sentido nenhum taxar games distribuídos digitalmente como o Moacyr parece estar querendo e agora está abafando depois q foi amplamente criticado.
    Sinceramente, isso é a coisa mais hipócrita q poderia acontecer aqui no Brasil, uma terra q não apóia o mercado de games como deveria mas, contraditoriamente, seus governantes querem lucrar o máximo possível com este setor.
    Primeiro q um jogador de PC já compra o seu produto digitalmente (ou seja, sem despesas de caixinha, mídia física, transporte, etc blá blá blá), segundo q compra de uma rede q nem mesmo é do país justamente pq os nossos preços são abusivos e uma das únicas maneiras de andar na legalidade e mesmo assim jogar os lançamentos é procurar preços mais baixos fora daqui.
    Quer dizer, taxar o Steam seria como tentar criar uma cerca cada vez mais fechada para os jogadores brasileiros. Ridículo.
    É nessas horas q dá vontade de dizer um grande “foda-se” e virar pirateiro mesmo, assim param de sacanear quem é honesto.

    • georges
      26/04/2012

      Cara depois de ler seu comentário me veio uma grande vontade de voltar atras no que eu disse logo ai em cima. Na época do jogo justo ainda não tinha meu console, então eu acreditei mesmo que aqueles eram preços justos, mas pensando melhor, eu acho que seriam preços justos apenas se fossem lançamentos.
      Acho que o mercado dos games no brasil tem um futuro meio nebuloso pela frente.

      • Hélio
        26/04/2012

        Esse pessoal acha q só tem idiotas aqui, essa é a verdade. Eles acham q vender jogos antigos a preços um pouco menores q o usual é igual fazer “Jogo Justo”. Facepalm eterno pra essa Acigames e o Moacyr.

        • georges
          26/04/2012

          De qualquer forma, não vou ser tão radical assim. Acho melhor esperar e ver como as coisas vão fica. Esperar com o pé atrás é claro.

    • Juliano
      26/04/2012

      É Hélio, mas a pirataria financia o crime.[ironic mode: off]

      • Hélio
        26/04/2012

        Ladrão q rouba ladrão tem cem anos de perdão. Ha!

  12. 26/04/2012

    No começo eu achei que o Jogo Justo seria uma coisa bacana, mas depois que vieram com essa tal de ACIGAMES… quer dizer, ajuda somente um grupo que paga mensalidade? Eu não digo que o Sr. Moacyr tenha más intenções, mas o cara se perdeu no meio do caminho e agora é só tropeço, fora o fato que canal de comunicação para ele é só falar as maravilhas que fez, mas vai lá fazer uma pergunta que toque na ferida pra você ver. A impressão que ficou é que ele disse tudo aquilo exatamente daquela forma achando que ia passar batido, e depois que a galera caiu de pau em cima veio com essa história pra boi dormir de que não é bem assim. O pior de tudo é ver que as coisas que estão acontecendo de bom para o mercado nacional de jogos está partindo exclusivamente das grandes empresas e não por conta de Jogo Justo ou ACIGAMES. Não tiro o mérito dos caras em ter chamado a atenção de todos, mas a única ação que vi de fato foi dias de desconto que nem desconto de verdade eram. O pior é que agora qualquer meio que não agrade as empresas é taxado de ilegal, ruim ou algo que o valha: antes era a pirataria, agora os usados… e no Brasil comprar de fora? Se for para pagar o dobro do preço aqui no Brasil para poder jogar algo, eu quero é mais que o mercado nacional de jogos se exploda, o crescimento tem que ser para todos, e não apenas para os lojistas.

    • Juliano
      26/04/2012

      Falou e disse cara,
      eu lá nos princípios comecei até a acreditar que dentro de no máximo uns dois anos já se notaria a diferença em alguma coisa, e que eu poderia finalmente comprar um nintendo e sair jogando, sem a ideia de estar pagando caro demais por aquilo, mas nem foi o caso.
      Já vi entrevistas dele também e o cara fala bem, só se endeusa com discursos de mártir, quando tudo de bom que aconteceu agora foram só consequências do mercado crescente brasileiro e não por causa do moacyr/acigames.

      • Gabriel Barbier (@bielnb)
        26/04/2012

        2 anos você forçou a barra também… Coisas mais simples do que abrir os olhos de um bando de velhos egoístas sobre um mercado “novo” e propenso a crescer demoram bem mais!

        • Juliano
          26/04/2012

          cara, só naquele momento que falaram dos jogos terem entrado na lei rouanet(acho q se escreve assim) e tbm terem sido retirados da categoria de jogos de azar, só isso me fez pensar que algo mudaria por ali mesmo, inocência minha né. Tá mais fácil deixar de ser gamer, ou usar pirataria como alternativa, senão é vender um rim a cada geração pra poder jogar. Brincadeira carinha essa.

          • Gabriel Barbier (@bielnb)
            26/04/2012

            Cara, você lembra do “projeto de lei 300-algumacoisa/2007″?
            Esse projeto já visava fazer isso, levou 5 anos pra dar em alguma coisa, precisou do Moacyr, ACIGAMES e toda uma mobilização, sem contar que foi engavetado pelo menos 2 vezes. Não pense que alguma coisa que envolva o governo será rápida…..

  13. leandro(leon belmont)alves
    26/04/2012

    vendo esse Vídeo, vi ele falando sobre os emuladores e pelo que entendi, quem vai se importar a ver as “velharias”…tem muita gente que se interessa pelos games antigos, muito mais do que esses jogos de hoje em dia.

    EU SOU UM DELES, DIACHO!!

    • Hélio
      26/04/2012

      2.

    • ian
      26/04/2012

      4

      • Vivi Werneck
        26/04/2012

        já deu de numeração né galera? a gente já entendeu que vcs concordam! ¬_¬ #TPMOver9000

        • Juliano
          26/04/2012

          it’s over 9000!!!!!!!!!!!!

          cuidado galera, hoje o machado vai agir

  14. Eduardo (dudu)
    26/04/2012

    Pelo que vejo, o Steam está ganhando horrores de dindin, sem deixar nada para nosso país. MUitos iram dizer fim da picada isso; mas acha justo o comerciante paga taxas e mais taxas, chega uma loja online e detona com ele, sem paga nenhuma taxa?? Pense Bem, uma loja quebrada de jogos significa no mínimo 4 empregos fora do mercado. O certo é fazer políticas públicas no sentido do jogo fabricado aqui ser isento de taxa ou servidor com sede no Brasil ser isento de taxa.
    A steam é boa mas rouba uma fatia grande do mercado Brasileiro, antes que alguém reclame, o mercado Brasileiro é médio ou Grande?? os lucros ficam aqui ou estão indo para o exterior? Como vocês querem que o mercado daqui se desenvolva se os lucros estão indo para o exterior?? A Solução é fazer que nem os Tablets, os jogos fabricados aqui teriam que ter total isenção de impostos. Vão fala que Steam é a melhor coisa do Mundo agora falo: inclusive boa parte do pessoal e as meninas daqui querem trabalha com jogos ou trabalham; como vocês iram trabalha com jogos, se o mercado é quase inexpressivo? Acredito que a Dilma vai fazer algo, quando alguém de perto explica o lucro que gera a industria de jogos eletrônicos e os benefícios para o país. Enquanto isso a Steam ganha ganha e o Brasil não so perde perde.

    • Hélio
      26/04/2012

      Tudo bem, nada contra pessoas quererem ter seus empregos e ganhar vendendo jogos. Mas NADA justifica 200 reais num jogo. Quem está enterrando o comércio de mídia física são os preços abusivos, pq se cobrassem valor justo, muita gente voltaria a ter originais.

    • Shaka
      26/04/2012

      @Eduardo (dudu)

      Muito bom cara, gostei bastante do seu post.

      “Como vocês querem que o mercado daqui se desenvolva se os lucros estão indo para o exterior?”
      Exatamente onde eu queria chegar.
      Na minha opinião (de merda), teriam que reduzir os impostos sobre consoles e games, exatamente como vc citou no exemplo dos tablets, isso movimentaria o mercado brasileiro, e traria uma sere de benefícios que agente não tem, como: Preços melhores, mais jogos em pt-br, quem sabe até servidores e produtoras grandes aqui no Brasil.

      Acredito que se alguém explicar exatamente o potencial que o mercado brasileiro tem, para as pessoas certas, eles vão enxergar e mudar essa tributação surreal.

      Eu sou cliente steam há alguns anos, o serviço deles é o melhor do mercado, mas eu sempre pensei que seria legal um serviço com o nível de qualidade deles aqui no Brasil, imaginei que a nuvem viria para isso, contudo, percebi que é muito difícil uma empresa atingir o nível deles, até pelo experiência de mercado, parcerias sólidas e outros fatores.

      Quanto a tributarem os jogos da steam, se acontecer, eu vou ficar muito puto e a chance de eu voltar a piratiar boa parte dos jogos de lá é bem grande.

      • 30/04/2012

        “Como vocês querem que o mercado daqui se desenvolva se os lucros estão indo para o exterior?”

        Se ouvesse mais mobilização das empresas como a Nintendo e a Sony produzirem e revenderem mais games por aqui, fabricados nas fabricas do país e também houvesse uma razoável queda de impostos pelo o mesmo motivo, ninguém teria que importar. Mas a questão não é só essa. As impressas veem sim o Brasil como um potencial em investimento até pela a grande quantidade de gamers que o país inteiro possui, que seriam parte do lucro, mas ao que me parece, investir aqui ainda é um mau negocio. A culpa disto talvez seja do governo por não facilitar as negociações.

        • Hélio
          01/05/2012

          Tem outro fator tbm, Annekira. A maioria dos projetos de sucesso no Brasil são jogos indies para Iphone, ou seja, não demandam uma verba de produções multimilionárias.
          Acho q arrancar dinheiro do Steam por aqui só serviria para encher ainda mais os bolsos de pessoas q não estão nem um pouco preocupadas com o desenvolvimento deste mercado.
          Sinceramente, está difícil demais confiar em qualquer um da política sobre este assunto, ainda mais depois da declaração do Moacyr.
          Vc apóia o cara e, qdo ele ganha mais representatividade, dá uma rasteira em todo mundo.

          • 01/05/2012

            Essa questão de jogos Indie fazerem mais sucesso eu acredito que seja reflexo da população até, a grande maioria prefere esse tipo de jogos. A gente de console, pc e etc é minoria perto deles :/ Por isso preferenciam esse tipo de gente

            Aliás, eu até fiquei meio que duvidando das boas intenções do Jogo Justo no começo. Eu assasinei e tals para mostrar que tem publico sim com interesse em baixar a tributação, mas já esperava que não dava para confiar 100%. Confiei desconfiando, algo assim

          • Hélio
            02/05/2012

            Sim, sim, eu sei. :)
            Mas tbm é fato q pra uma produtora pequena, é bem mais fácil criar um game mais simples q vai dar retorno rápido do q investir um dinheiro q ela nem tem pra fazer um game AAA.
            Só acho q falta incentivo, o país deve sim ter seu mercado indie, mas não ficar preso só nele.

    • Juliano
      02/05/2012

      o mercado indie é o que mais dá orgulho ultimamente, que que é aquele Bastion? melhor ost que eu ouço em anos,
      coitados são os que só tem olhos para AAA e perdem de jogar essas maravilhas

      • Hélio
        02/05/2012

        hahaha Mas eu não desmereci os indies. São ótimos. Eu só acho q, além dos indies, poderíamos ter tbm uma indústria de AAAs se o mercado fosse cada vez mais valorizado e aprimorado no país.

        • Juliano
          02/05/2012

          o mesmo que ficar sonhando eternamente, brasil e AAA, palavras que não existem em uma mesma frase, mas sonhar não custa nada né?
          quanto mais AAA mais hype, quanto mais hype mais decepções, prefiro ser pego de surpresa com excelentes jogos indies, que vem do nada, são criativos e não são só mais do mesmo, afinal AAA tem que vender e arriscar em algo que não vá trazer retorno financeiro é algo que não existe

          • Hélio
            02/05/2012

            Juliano, se todo mundo pensasse assim, videogames não existiriam. Acho muito preconceituoso dizer q AAA é sempre mais do mesmo.
            No mais, todo jogo tem q vender. Eu não vejo nada demais em acreditar q, no futuro, o Brasil possa produzir jogos de grande escala. É questão de educação, apoio governamental, incentivos para q os profissionais daqui não vão trabalhar exclusivamente no exterior, mas tragam conhecimento e mão de obra de qualidade para cá, é questão de mudar a mentalidade brasileira q se guia demais pela mídia sensacionalista e atrapalha a disseminação do termo “videogame” como algo bom e construtivo, não como algo pejorativo. Os indies devem sempre existir, mas acho q eles são um primeiro passo para um mercado q eu espero q cresça. Não agora, em 2012, lógico, mas a longo prazo, espero ver pelo menos um ou dois AAAs brasileiros.
            Acho q falar mal dos AAAs como um todo é tão preconceituoso qto falar q indies não prestam.

    • Juliano
      02/05/2012

      pois é Hélio, tais certo. E tens bons sonhos também quanto ao brasileiro

  15. leandro(leon belmont)alves
    26/04/2012

    mas essa situação de taxa está muito desconfortante. se para o pessoal que é abastado está reclamando, imagina os gamers não tão abastados(para não dizer pobre) que um game comprado custa na casa dos 199 Reais? tudo bem que regularizar o Steam pareça algo nobre, mas pombas! já basta os preços serem altos….

    e dizer que jogos usados então acabando com o mercado, eu acho exagerado. seria justo vender para um amigo um Metal Gear 4 ou Gow 3 a mesmo preço que comprou uma vez, que já o usou? tanto se jogou muitas vezes ou poucas. se eles estiverem falando de lojas de internet com Mercado Livre e outros, eu não acho que haja tanta compra assim, pois ainda comprar online é meio duvidoso. embora 80% das compras(estimativa minha) cheguem ao destino, mesmo que demore.

    • The Punisher
      26/04/2012

      Pois 99% dos games de PS3 que tenho comprei pelo Mercado Livre.

      • The Punisher
        26/04/2012

        Isso obviamente pesquisando e comprando de vendedores com preços mais em conta.

      • CPR
        27/04/2012

        Só paga 199 em jogo quem quer.

  16. Gabriel Barbier (@bielnb)
    26/04/2012

    Bem, vamos lá…. Serei paradoxal e confuso, pois é assim que eu estou…
    Não que eu concorde, mas do ponto de vista político, eles estão certos em pelo menos pedir pra Steam abrir um escritório aqui, já que os caras ganham com a nossa grana e não prestam contas com ninguém.
    O que eu ouvi, é que essa taxa de 5% substituirá uma de 6,x% que já existe e os cartões cobram na encolha. Se for o caso, será bem-vinda! Acho legal se de alguma forma, a Steam começar a cobrar em R$. Há tempos não compro nada lá, mas quando comprava, tinha que pedir pra um amigo comprar e me mandar de presente e depois devolver o dinheiro pra ele… É um problemão!
    Eu também não engulo essa história de que a taxação da Steam seja para proteger os lojistas, já que tanto ela quanto o GoG vendem jogos que não possuem venda física aqui no Brasil… Ah! Tanto a XOGO quanto a Nuuvem, em alguns casos vendem os jogos e os ativam numa conta da Steam!!!
    Para todo o caso, enquanto o Moacyr tomar decisões sensatas, estarei com ele.

  17. The Punisher
    26/04/2012

    Não é criticando nem julgando ninguém, mas sinceramente, era de se esperar algo do tipo nesse país onde maioria só quer ter tirar vantagem de tudo e todos, onde os políticos nossos representantes/governantes não tem o mínimo de respeito pelos seus eleitores onde a corrupção rola solta desde que o Brasil é Brasil e é por essas e outras que nosso país não é bem visto lá fora que os governos dos demais países não respeitam o Brasil e o seu governo, pois o mesmo não se dá ao respeito.

    Outra coisa que já comentei aqui no GoW é aquele tal de “Eu tô Legal” os reais descontos são em grande maioria de jogos antigos da época do lançamento da atual geração de consoles, o que é até normal e justificável, pois são jogos que já deixaram de ser lançamentos há tempos, o que torna essa campanha uma furada, isso sem dizer que quando os descontos são de jogos mais recentes se tem o desconto na hora da compra, mas quando se vai ver o frete o mesmo cobre esse valor e em alguns casos até passa deixando os games acima do preço normal antes do suposto desconto.

  18. Juliano
    26/04/2012

    Queria muito ler a opinião da Vivi sobre o assunto, bom, vou ler o tópico então.

  19. Juliano
    26/04/2012

    Boa, gostei de ver sua opinião Vivi.
    Não sei porque mas pelo que tudo indica, ele irá correr atrás dessas empresas gringas pra conseguir, de um jeito ou de outro, fazer uma taxação de imposto neles. Espere e veremos.

  20. Rafael Frozen
    26/04/2012

    Vivi fodastica, belo post.

    Eu to chateado com isso tudo que ta acontecendo sinceramente.

    O jeito é continuar de olho, mas sem desferir fúria aonde não é necessário (ainda) nem ser sem educação.

    O bom é que estamos mais espertos que nunca, não deixamos passar nada mais ^^

  21. 26/04/2012

    Esse é um dos melhores comentários sobre o caso.

  22. Júnior Pax
    26/04/2012

    Vivi, você disse tudo! Concordo com você em gênero, número e grau! Já que não baixam os impostos temos ao menos o direito de escolha por jogos mais baratos e acessíveis a renda da maioria dos brasileiros. Na boa, mas o jogo custar 1/3 do salário mínimo é de matar…

  23. paulo honda
    26/04/2012

    Como aqui no Brasil é o país dos impostos,não seria novidade se resolvessem taxar o steam que só é bom pro governo.Não acredito que isso irá afetar o comércio. Já que game a 199 se tornou padrão (ou seja ,o comércio tem muita gordura a queimar),ao invés de mais taxas,era questão de baixar mais os preços dos games e com isso todos sairiam ganhando,o consumidor ,comerciante e o governo em volume de vendas.Mas infelizmente a boca do leão é enorme e sem fundo.

  24. 26/04/2012

    “…e com a ‘pulga atrás da orelha’ sobre a Associação e seus atos.”

    Fechou com chave de ouro, Vivi!

  25. Leandro
    26/04/2012

    ficou claro q ele disse o q disse, e depois parou para pensar e viu a gigantesca merda q fez, ele como pessoa pública e representante dos gamers no governo devia se conter mais, e é no minimo ridiculo o tipo de abordagem q ele utilizou com os execultivos do Steam para tentar trazelos para o Brasil.

    no final é triste ver como o poder corrompe, e nós corremos o risco de ficar novamente sem nenhuma esperança para o mercado de games históricamente super tributado, e agora esse possível risco de padronização de preços do Steam com o mercado interno Brasileiro.

    é ofensivo ele dizer “pra gerar impostos aqui no Brasil” como se nossos impostos já não pagassem o suficiente a ganância de governos q basicamente não tem partidos, ja q ficou claro q são todos iguais independente da bandeira e da causa em q acreditam.

    acho q a lição esta dada, e nós aprendemos q devemos ver Moacyr Alves como empresário, a favor dos empresários, tentando piorar a nossa situação já critica, ao invés de ajudar com redução de impostos.

  26. Gabriel Barbier (@bielnb)
    26/04/2012

    Para quem ainda não viu, tem um esclarecimento do Moacyr feito no Techtudo: http://www.techtudo.com.br/jogos/noticia/2012/04/entenda-a-polemica-com-o-criador-do-jogo-justo-e-a-distribuicao-digital.html

    É bom ler isso e ter uma noção “do outro lado”! ;)

  27. 26/04/2012

    Concordo em muito com o que foi dito – realmente, a coisa toda é um exemplo de “pense primeiro, fale depois”, fala-se uma coisa da boca para fora (na posição dele ele devia ter um acessor de imprensa ou algo assim) – já que dúvido que realmente houvesse um plano (visto a falta de informações precisas), mas ao invés de simplesmente admitir o erro e por um ponto final claro e rápido, tentou-se concertar a idéia ao longo do caminho o que só dá mais confusão.

    Não acho que a coisa toda vá para qualquer lado – ele nem a associação tem real poder para isso, alias nem que tivesse isso seria possivel por vários problemas, práticos e técnicos (tipo o Steam não é a única plataforma de distribuição digital…) idéias e projetos (a despito do que ele chame, obviamente a coisa toda está no máximo em um plano muito nebuloso) ruins são levantadas todo o momento mas morrem na praia justamente por que são inviáveis.Ou ninguém lembra do deputado que queria proibir jogos e nem se deu conta que isso ira entrar em conflito com a constituição? tanto que ele mesmo teve que arquivar o próprio projeto.

    Fato é – ele falou o que não devia e que não tinha base ou faltou uma acessoria ali, porém – e ai está ponto – ele não tem poder real de fazer qualquer coisa (mas todo mundo jura que ele tem e para ontem), exceto ter a idéia, mas nada é tão simples. A coisa teve uma repercursão mais alta que o esperado (por ele) e ao invés de forma clara negado (o que parece estar fazendo agora pelas repostas dele no twitter) responde meio vago (para a intepretação dos interessados).

  28. Gabi
    26/04/2012

    Antes de falar qualquer coisa:
    “E, por favor, não me venham com o discurso protecionista de que a taxação dos jogos que forem ser importados e/ou adquiridos digitalmente é para proteger a indústria nacional porque também não faz sentido! E por um simples motivo: o Brasil ainda não produz jogos eletrônicos numa demanda suficiente para concorrer com a indústria AAA internacional.
    O protecionismo só faz algum sentido quando o país que o aplica produz algo que possa sofrer concorrência em pé de igualdade com um produto estrangeiro”

    Dá pra ser SUPER chata e falar até babar sobre esse trecho, mas como sou legal e a mensagem foi passada pulamos para a minha opinião.

    Lí, reli, lí os comentários, li a carta aberta e ainda não saquei bem o que aconteceu. E acho que 90% de vocês também não, pelo o que vi nos comentários. Uma mísera alma caridosa falou a grande dúvida.

    Taxar o steam, ok seus lindos, se a taxa for menor do que pago no meu cartão e não mais uma taxa. Oba eu quero! Vocês pegam a diferença? Dá pra tentar fazer um esquema.

    Tendo:
    T1 = taxa cobrada atual.
    T2 = taxa futura. Sabendo que T2<T1.

    Se for cobrado somente T2 é um negócio bacana. A fogueira na frete da casa dos outros é pra T1+T2.
    O que pra mim não ficou claro é sobre que tipo de coisa vai acontecer, se é que vai acontecer. E o piti todo pode ser pro uma coisa bacanuda ou por algo que realmente mereça.

    Ponto. Vamos para a terceira parte.

    Sou de uma cidade de interior, é uma cidade pequena. Tem duas livrarias, sendo que uma fica dentro do campus da universidade e vende em sua maioria livros técnicos, então dá pra imaginar quantas lojas que vendam jogos tem aqui. Isso mesmo, nenhuma. Às vezes você tromba com um elefante branco em alguma loja de informática, mas de regra não tem nada. Se não existisse comércio online eu só teria jogos piratas, comprado na banca da feira.

    Esse é um ponto muito importante, porque com imposto ou sem imposto na minha cidade eu não compro jogos. Fato! Chorar pelo vendedor que fechou a loja de jogos física por causa do steam, é meio estranho pra mim já que se não existisse o steam ou qualquer loja que venda o conteúdo digital, eu, aqui no interior, teria que esperar 5 dias pra jogar qualquer coisa ou partir pra pirataria do tio da feira todo sábado.

    Então vamos lá, o mercado brasileiro não é atendido com eficiência. E infelizmente ou felizmente (dependendo de quem você seja) o mercado externo tá feliz e pimpante pegando esses consumidores que não são atendidos. Que há demanda por games originais ninguém tem dúvida o que há é uma ineficiência por n fatores de atender a essa demanda. Um exemplo é essa pessoa feliz, eu, que antes só tinha jogo pirata no pc e em um prazo de um ano tem todos os jogos originais, sem ter ocorrido um aumento de renda. Agradeço a todos do comércio digital (um beijo pro steam e um beijo para o Nuuvem).

    Quarta parte. (prometo que última)

    O mercado de jogos no Brasil ainda é bastante desconhecido. Alguém ai sabe qual é a parcela de mercado que o steam pega por aqui? Esse é um dado muito importante para essa discussão que ninguém trouxe. É tudo muito novo, mas acho que dá pra partir do senso comum que todo mundo quer melhorá-lo e é nessas horas que um órgão sério indo atrás dessas informações, tentando descobrir o mercado brasileiro é legal.

    • Gabriel Barbier (@bielnb)
      26/04/2012

      “Alguém ai sabe qual é a parcela de mercado que o steam pega por aqui?”

      Provavelmente só eles, já que eles não divulgam nem quantas “cópias” de um jogo foram vendidas

    • 26/04/2012

      Tenho que concordar com muito que você falou Gabi – principalmente “O que pra mim não ficou claro é sobre que tipo de coisa vai acontecer, se é que vai acontecer. E o piti todo pode ser pro uma coisa bacanuda ou por algo que realmente mereça.” O problema é justamente que ninguém sabe exatamente o que iria ou se vaiacontecer algo, acho que nem o Moacyr saberia pois dificilmente existe um real plano (vamos dar um voto que realmente ele falou isso de cabeça quente, ou outra razão parecida, o que não justifica, mas pode explicar) e mesmo assim essas coisas não são feita no calor da hora e dia para noite, o problema é que já está se dando algo por certo.

      Mudando um pouco para mim a distruição digital, mesmo vivendo em um capital é o único jeito de eu conseguir alguns dos meus títulos de pc favoritos da Paradox, que é uma empresa suéca que faz jogos de estratégia mais hardcore e de nicho e que moveu todo seu catalogo para digital – logo achar um titulo deles aqui é muito dificil para não dizer impossível.

  29. Marcelo
    26/04/2012

    Espero que a luz no fim do túnel não seja o trem vindo.

  30. Bruno Izidro - espantalho555
    26/04/2012

    Não estou comentando aqui para falar da polêmica. A minha opinião é a mesma de qualquer gamer sensato: sou absolutamente contra o que o Moacyr falou sobre taxação e hoje me sento envergonhado em ter apoiado o jogo justo.

    Mas venho aqui para parabenizar a Vivi. Sei que ela é amiga do Moacyr, mas não mediu esforços pra criticá-lo no texto.

    Pensei que ela iria tentar botar “panos quentes” na questão, dado a proximidade que tem com o Moacyr, mas foi bem crítica e agora mostrou que tem uma opinião formada e não manipulada.

    Parabéns Vivi.

    • Vivi Werneck
      26/04/2012

      Obrigada Bruno. Complementando o que você disse, sei diferenciar a pessoa que conheço informalmente da pessoa que conheço dentro de um meio de trabalho. Como pessoa, tirando o fato de ser presidente de Associação e tal, não tenho absolutamente nada contra o Moacyr. Do contrário, ele sempre me tratou muito bem. Agora a minha opinião sobre ele como presidente da Acigames, e os rumos ideológicos da mesma, vocês já sabem lendo este post.

    • The Punisher
      26/04/2012

      Não é a toa Bruno e Vivi que existe a frase o ditado que diz “Amigos amigos negócios a parte”

  31. Mr Hertz
    26/04/2012

    NAO SE ENGANEM….. ELE SO VOLTOU ATRAS POR MEDO DE BOICOTE.

    Um boicote massivo a todas as lojas e entidades afiliadas a ACIGAMES.

    Alias, que fique bem claro, essa historinha de jogo justo so iria mesmo beneficiar dono de play3 e xbox360, porque no que diz respeito a jogos de PC com caixinha e tudo mais, ELE NAO TEM PODER PRA BAIXAR NADA DE IMPOSTO, pois todos os impostos incidentes nao sao exclusivos pra jogos, mas sim pra transporte de carga, producao de material e movimentacao financeira intra e extra estadual…

    ACIGAMES é uma movimentação política visando meter a garrinha neste mercado que hoje ja se mostra que nao é coisa de criança… ja superando até mesmo o mundo do cinema em relacao a lucros.

    Nao acreditem nessa corja de falsários, pois eles nao são gamers, e nao tem o menor contato com isso, fora grana.

    ………….

    Pra começar, meus caros e todas as “garotas da guerra” aqui, lembre-se que por mais que amemos os videogames, vamos encarar a realidade: jogo é diversão, e trabalho de político é com coisas bem mais sérias no que diz respeito ao desenvolvimento do país.

    Ao invés de Jogo Justo, deveria ser SOFTWARE JUSTO, pois assim teriamos incentivos na producao de jogos educationais (acreditem, existe muito estudante nas universidades com isso em mente, ou ja trabalhando nisso), e todo desenvolvimento e infra estrutura computacional de todo país. Ou seja, seria uma melhoria em massa para o Brasil, e nao meramente um jogo de videogame.

    Para usuarios de PC, os jogos comprados em loja nao tem como sofrer muita baixa, e mesmo assim temos vendas como o STEAM, que nada mais são do que compras internacionais, onde pela propria politica e taxacoes brasileiras, NUNCA a ACIGAMES conseguirá fazer com que um jogo vendido em território nacional bata o steam.

    Sobraria com isso o beneficio para XBOX360 e Playstation3, mas so os ORIGINAIS, ou seja, a so seria beneficiada a classe AA.

    Entao desde o inicio essa porcaria de iniciativa so visa a entrada e participacao dessa corja de falsários ao poder.

    Claramente o “gordinho” la falou em taxar o steam SIM…. num vem com essa de “ah eu fui mal interpretado”.

    Agora eu digo a voces… sabe o que significa sobretaxar o steam?

    Significa implantar uma politica onde pune voce por comprar fora. Temos de ter liberdade pra comprar de qual praça desejarmos. E se isso incorrer em impostos DEVIDOS, ok…

    Mas nao venha me sobretaxar porque eu decidi olhar pra fora do mundo e optar por outra saída.

    Com os pcs cada vez mais namorando e vivendo a distribuicao digital, me espanta um palhaço desses vir defendendo midia física (se tratando de combater o steam, que vende jogos para pc).

    Estamos em plena era distribuicao digital, seja pc, videogame, DLCs… qualqer coisa. E isso veio para ficar.

    Meu conselho é de nao esperar nada desse povo. Fiquem de olho, e se notarem alguma merda vindo, olhem quais entidades e empresas estão vinculadas a ACIGAMES, e simplesmente BOICOTEM todos.

    Isso me deixou MUITO PUTO de verdade. Porque ja nao basta a humilhacao que eu sou exposto todo dia… ainda vem palhaços dessa natureza, usando a boa vontade e esperança do jogador brasileiro pra conseguir entrar no poder, depois ó… TOOOOMA NEGUIN.

    TOME VOCE, seu palhaço. Ache outra teta pra mamar!!!

    • The Punisher
      26/04/2012

      Mas você tem que ver uma coisa Mr Hertz, jogos de PC já são bem mais em conta que jogos de consoles, pois são tratados mesmo como programas/softwares de PC e não como jogos de azar como é o caso dos games de consoles, na época mesmo que tive meu 1º PC há uns 15 anos, sim os games de PC passavam dos 100,00 hoje em dia não. Eu ainda possuo jogos de PC comprados naquela época em que cheguei a pagar até 120,00 isso naquela época ainda.

      • The Punisher
        26/04/2012

        A única coisa em relação a PC que são realmente caros no caso de softwares são os próprios softwares propriamente ditos, como sistemas, pacotes Office, editores de fotos e etc.

    • Gabriel Barbier (@bielnb)
      26/04/2012

      @The Punisher
      Vou repetir um pouco do que você já disse.

      “Alias, que fique bem claro, essa historinha de jogo justo so iria mesmo beneficiar dono de play3 e xbox360″
      Mas é claro, meu camarada!!!!
      Jogos de PC são taxados como Software, enquanto jogos de console são taxados como Jogos de azar. Por isso a diferença de preços! (E nem estou falando de distribuição digital)
      Exemplo:
      No lançamento, Fifa 2012 custava R$179 para PS3 e Xbox 360, enquanto que pra PC custava R$60.
      Não estou atacando a galera de PC, já que jogo nele, mas nenhum lançamento sai por mais de R$99 nele. O problema de verdade está nos consoles…

      • The Punisher
        26/04/2012

        Mas ninguém aqui Gabriel disse ou se quer insinuou que você atacou a “galera de PC”, muito pelo contrário meu amigo. O que eu disse foi exatamente ao que você mencionou que se realmente fosse baixar o preço dos jogos seriam só os dos consoles e não os de PC, e exatamente por isso eu disse o que você mesmo leu e repetiu que os games de PC já são mais em conta que os de console. Acho que você me interpretou errado.

        • The Punisher
          26/04/2012

          Corrigindo “Eu disse o que disse justamente pelo comentário do Mr Hetz que disse “Alias, que fique bem claro, essa historinha de jogo justo so iria mesmo beneficiar dono de play3 e xbox360″”

          • Gabriel Barbier (@bielnb)
            26/04/2012

            Relaxa, no final eu só quis deixar a minha posição clara, pra não pensarem que eu estou dando “foda-se” pra quem joga no PC… Até porque minha alma pertence à Blizzard…… hehehe

      • The Punisher
        26/04/2012

        KKKKK…e quem disse que to nervoso cara…rs. Só estou esclarecendo já que achou que você estava atacando alguém.

    • Mr Hertz
      26/04/2012

      nao tou levantando discussão sobre xbox , play3 ou pc.

      o que tou dizendo é que essa iniciativa beneficia apenas a classe AA, e temos de entender que leis mexem com um país inteiro, e videogame é uma coisa comprada por uma minoria, enquanto que os políticos são eleitos e estão lá para os interesses da maioria.

      agora como a maioria dos jogadores é de adolescente que não tem contato nenhum com política, quase ninguem entendeu que é muito estranho político estar se preocupando com lei que beneficia apenas uma pequena parte da população.

      imagine voce sendo pobre sem grana, vendo seus filhos sem educação e sem acesso a informática, enquanto político se preocupa em lei pra “riquinho” comprar jogo mais barato… vendo assim fica ruim de engolir, né.

      so isso ja seria suficiente pra mostrar como tinha coisa estranha nesse “jogo justo”, e agora so se confirma com as garras de fora do “gordinho de duas caras do video”.

      desde sempre eu falei… “isso é político se aproveitando da esperança do jovem de ver uma coisa boa acontecendo, mas vai ser só chegar la, e POW…. xaaaaauuuuu”

      Fiquem de olho aberto, negada.

      Na falta de certeza, não confiem porque eles nao merecem isso !!!

  32. Leonardo
    26/04/2012

    Vejam esse trecho da entrevista que o Moacyr Alves deu a revista arkade, ele diz com todas as letras “a AciGames ja esta se articulando para acabar com essa farra (referindo-se ao Steam)

    http://www.kotaku.com.br/wp-content/blogs.dir/11/files/2012/04/arkade_kotakubt.jpg

    • Gabriel Barbier (@bielnb)
      26/04/2012

      Sugiro ler a entrevista que ele deu ao Techtudo

      • Leonardo
        26/04/2012

        eu li, ele so confirma o que ja havia dito antes so que com outras palavras

  33. 26/04/2012

    Tem um pequeno detalhe que me veio a cabeça – ninguém lembra que o Steam não é o única plataforma de distribuição digital – tem o gamersgate, impulse, good old games, ect.. ect… o que adiantaria criar um imposto (supondo que fosse realmente isso) só para o steam? na real qualquer coisa nessa área mexe em outras bem mais complicadas – tipo mercado de softwares/musicas/aplicativos de celulares, tablets, ect… é algo tipo muito além da alçada dele é como já dizeram, se nem poder real para baixar os impostos ele tem, como iria subir ou implementar eles? não esquecam que ter intenção de algo não é poder de fazer algo, e clamar que vai fazer algo não disse que isso realmente acontecer.

  34. Júnior Pax
    26/04/2012
  35. Leonardo
    26/04/2012

    Não há nada de ilegal em se comprar jogos digitalmente, para que seja necessario “regulamentação”, tomem cuidado com esses discursos nacionalistas como desse Moacyr ai, para mim as intenções dele estão bem nítidas so não ve quem não quer

  36. Adriana
    26/04/2012

    Sinto-me como se tivesse dado um tiro em meu próprio pé. Na entrevista, o que vi foi um homem arrogante que foi ignorado, ou até mesmo mal tratado, por um executivo da Steam e agora quer vingança. Ele quer regularizar a forma de distribuição de digital, porque acha que a Steam se sujeitará a ele. Porém, o Sr. Moacyr esqueceu de um pequeno detalhe: a Steam detém praticamente o monopólio da distribuição online digital, sendo que, seus maiores consumidores estão no EUA e na Europa (indústria de games não foi atingida pela crise, muito pelo contrário até se beneficiou dela). A Steam pode simplesmente não querer se sujeitar às regras burocráticas brasileiras e cair fora. E as pessoas que, como eu, têm conta na Steam recheada de jogos vão ficar a ver navios e tomar um baita de um prejuízo.

    Vejo também, que ele não está preocupado com a comunidade gamer em si, mas, sim, em proteger os lojistas. Eu não mentir prevejo que o comércio de jogos vai acabar, pois muitas desenvolvedoras têm suas próprias lojas e vendem diretamente ao consumidor, exemplo: EA Games, a própria Valve, Paradox,Square-Enix, Ubisoft, muita empresas indies vendem diretamente também.

    Pelo que vejo o Sr. Moacyr é uma pessoa retrógrada e quer defender um comércio que vai morrer mais cedo ou mais tarde, assim como as locadoras. O mundo dá voltas, outros empregos surgirão para absorver os desempregados dessa área, cuja maioria, por sinal, nem joga video game, o que já vi de vendedor passando informações erradas para o meu pai não cabem num gibi.

    Sou a favor da regulamentação da venda de jogos digitais, mas minha preocupação é com a burocracia do governo brasileiro, a título de exemplo, temos a Apple Store, somente no final de 2011 passamos a ter um Apple Store brasileira e só agora no início de março, a nossa Apple Store passou a vender jogos depois de brigar muito com o Ministério da Justiça que é o responsável pela classificação dos jogos.

    Fico me perguntando como o governo faria o controle da Steam e das outras lojas onlines… Instalando filtros para impedir o nosso acesso?

    • The Punisher
      26/04/2012

      Ihhh Adriana, o que tem de vendedor que vende produto que nem se quer tem conhecimento infelizmente não é só em lojas de games ou pior, só em grandes varejistas como Americanas e etc, o que se ver muito é vendedor assim, seja em qual área for.

  37. Geronimo
    26/04/2012

    Eu não comprava jogo até conhecer o steam, e não darei um centavo pra esses monopolistas.

  38. 26/04/2012

    Alias… seria mto interessante se esses caras tomassem uns DDOS

  39. Ricieri
    26/04/2012

    O mais engraçado disso tudo, é que eu acho que estou sofrendo um “inception” em minha mente ou que to no livro 1984, porque CLARAMENTE na entrevista ele fala em cobrar impostos com a instalação da Steam no Brasil, mas na explicação da entrevista, ele diz que não disse isso e que foi mal interpretado. Mas verdade seja dita o que ele teria que dizer é: “Desculpe, falei bobagens”. Isso se o propósito dele, trabalhar com games no Brasil, for realmente para beneficiar os consumidores.
    Na entrevista da TechTudo, ele diz que pretende sim regulamentar a steam aqui no Brasil, e se por acaso for acrescentado imposto, é um problema cultural nosso, que na minha opinião, ainda usou o termo errado, porque ele virou conselheiro do ministério da cultura, mas não sei se a entrevista é antes da nomeação.
    Na entrevista da revista Arkade, ele diz a mesma coisa em relação a distribuição digital, fala até que a ACIGames está se movimentando para acabar com essa “farra”.
    Minha opinião de M… é que ele tá tentando abaixar a poeira, pois ele sabe que os gamers podem fazer um boicote monstro contra as lojas afiliadas, que por sinal o vice-presidente é Sócio-Fundador de uma delas, alias a principal delas.
    Uma coisa que quero comentar do fundo do coração…rs se eu pudesse dar uma dica pro cara, seria pra ele não se achar, assim como tem gente que se acha por ai, no sentido que mudaram o cenário gamer no Brasil, se há alguém que mudou o cenário gamer no Brasil são os próprios consumidores. Se o cara foi o primeiro a fazer algo relacionado a games, parabéns pra ele, mas não quer dizer que ele ditou o ritmo de como as coisas estão no país em relação a games, muita prepotência achar isso se dizendo humilde.
    Eu sinceramente não ligo, ou melhor não ligava se o Moacyr ganhasse rios de dinheiro, mas fizesse um trabalho legal em relação aos impostos cobrado nos games aqui no Brasil.
    Infelizmente, tenho o pressentimento que meu hobby ou a profissão para alguns, está se tornando um tanto quanto politizada, justamente porque abriram os olhos para esse mercado que antes só era “coisa de criança” (mas elas cresceram…rs) a tendência é só piorar.
    abs

    • Mr Hertz
      26/04/2012

      Ricieri, não deixe-se abater. pra isso temos toda uma sorte de gamers e bloggers, inclusive as minas aqui, que tenho certeza que não deixarão isso seguir em frente.

      somos uma potencia, e somos unidos, e faremos o pior boicote da historia contra todos esses malandros.

      uma coisa q politico ta acostumado é em nao ouvir nada de ninguem, porque o povo nao reclama, MAS NÃO NÓS !!!!!

      ja deu pra eles verem isso na pele, e se insistirem faremos o pior movimento, que eles vao secar sem venda nenhuma. e no fim a base é so uma ….. eles querem vender, e so tem a nós pra comprar. entao se fuderem a gente, voltamos a pirataria, e eles perdem as lojinhas deles.

  40. Alessandro
    26/04/2012

    Aproveitando o gancho de Vivi, realmente é preocupante pois creio que algo esteja sendo feito a respeito de steam infelizmente e ele deixou “vazar” os planos, não literamente é claro, agora uma coisa acho engraçado na loja onde trabalho vende jogos originais pra console os lançamentos pegue R$199,00 no gogó, dai o jogo fica lá encalhado algum tempo depois PROMOÇÃO o valor do jogo cai drasticamente chegando a custar menos de R$30,00, tudo bem que o jogo não é mais lançamento e tal, mas porque não tentar traze-lo há um preço amigavel desde o inicio? Só espero que voltem o foco para o lance do jogo justo e deixe a steam em paz. E porque só a steam? Vide PSN brasileira pois mesmo digital… aguardar pra ver.

    • Gabriel Barbier (@bielnb)
      27/04/2012

      PSN e XBLA brasileiras, XOGO e Nuuvem pagam impostos, a Steam não, esse é o ponto.

  41. Bel
    26/04/2012

    Sinceramente eu fiquei desapontada com o Moacyr, me senti enganada.

    E agora eu percebo que desde o início ele nao estava pensando nos interesses de toda a naçao gamer, mas nos interesses dele e dos empresários..

    No começo tentou dar uma de bonzinho, vestindo a máscara de defensor dos games por um preço mais justo, buscando com isso o apoio de uma grande massa que somos nós, consumidores de jogos(ele achou q o nosso apoio seria suficiente pra ele conseguir o que queria)…Agora a mascara caiu e ta mostrando que ele quer apenas tornar as coisas mais fáceis para os EMPRESARIOS

    Que nem criança mimada: ” Se nao baixarem nossos impostos entao aumentem o da concorrencia ”

    E a gente que se F..

  42. Murilo
    26/04/2012

    Deixo claro, com muito desgosto e vergonha, que eu apoiei o Jogo Justo desde o começo… Quando foi anunciado a Acigames eu sabia que ia dar merda, empresas reguladoras só sever pra fazer isso aí, é ridículo… é lamentável que se aproveitaram de um assunto sério pra granhar dinheiro

    fica claro até na resposta deles “mas sim criar formas de regulamentar a maneira como as mídias digitais são classificadas e distribuídas no Brasil por empresas estrangeiras, afim de criar uma competição saudável promovendo oportunidades para todos (…) de acordo o objetivo inicial da criação da ACIGAMES(…) tendo em vista o crescimento e profissionalização do mercado nacional

    Apenas interesse em mostrar ao governo as oportunidades e benefícios que este mercado pode oferecer, sempre vislumbrando o crescimento do mercado, a geração de empregos e a visibilidade dos talentos brasileiros”

    isso pra mim é só confissão assinada com palavras mais bonitinhas… e mais, diziam pelo menos que a Acigames foi criada para criar uma “união” entre lojistas e desenvolvedores para COMBATER os impostos. Teriam eles mentido? Bom, não seria nenhuma surpresa

  43. 26/04/2012

    boa noite, gostaria de divulgar nosso blog sobre a postura tomada pelo Moacyr após sua entrada no ministério da cultura. Girls, espero que não liguem e se gostarem apoiem por favor…

  44. Boicote Aci Games
    26/04/2012
    • Mr Hertz
      27/04/2012

      CHEGA DE SER HUMILHADO TODO DIA POR IMPOSTOS ABUSIVOS…. e ladrões que não fazem nada, so roubar…

      pra vir mais um, NAO… se o povo se cala, NOS NÃO !!!!

  45. Marcelo Almeida
    27/04/2012

    Tudo começou quando a Acigames foi criada, e no segundo dia do jogo justo, o Sr Moacyr Alves convoca e solicita que os Gamers boicotem as empresas que estão vendendo jogos baratos MAS NÃO SÃO ASSOCIADAS DA ACIGAME, ou seja só pode vender jogo barato se pagar para Acigame, sendo que um dos pilares do Jogo Justo o principio de vender “JOGO JUSTO”, um comercio de forma geral vendendo barato para TODOS OS GAMERS, ou seja ele tinha um problema com o Submarino e fala isso, agora ele tem um problema com Steam e fala isso, ou seja não pode ser contrariado, ainda mais agora que ele está no Governo não é mesmo. O vídeo é claro onde ele mostra sua revolta com o Steam.

    Um ultimo detalhe, na verdade dúvida, o que de fato ele fez para o mercado Gamer Brasileiro?? Alguém pode me responder??
    Obrigado, e parabéns pelo artigo Vivi Werneck.

  46. Bruno Carvalho
    27/04/2012

    Apoiei o Moa na campanha do jogo justo e hoje me sinto envergonhado.

    Os argumentos são ridículos.

    Quando você pensa que as coisas podem melhorar, vem um tiro desses… E de uma pessoa pela qual não poderíamos esperar tal atitude.

  47. Adriano
    27/04/2012

    Detesto útopias, são tão bregas e cafonas. Vocês estão agindo como crianças mimadas, procurando uma maneira de se dar bem e ignorando as consequências. Mas ficam com essa máscara de paladinos da justiça, isso é realmente… chato. Vamos ver… um fluxo ilimitado de riquezas nacionais(dos cofres nacionais, produzidos com o trabalho tupi) escoando desenfreadamente para o bolso de estrangeiros e o único benefício para o país que produziu a riqueza é um jogo um pouco mais barato no seu HD, apenas isso. Nenhum emprego gerado, nenhum investimento no país, nem mesmo uma filial para pagar luz e água e meia dúzia de funcionários para devolver parte do dinheiro ao nosso mercado; apenas um E-mail: “somos gratos pelo estupro consentido do seu país”. Está bem… o dinheiro é seu, você trabalhou; mas existem coisas maiores e mais importantes que devem ser levadas em conta para o bem de todos e não apenas para o seu divertimento pessoal. E se o Moacyr não diz é porque ele está mais preocupado em ganhar apoio popular do que fazer o trabalho dele. Sabe o que é mais irônico, paladinos da liberdade? Seria menos daninho ao seu povo comprar CDs piratas do que gastar no Steam. No Steam quem produziu tem retorno, o que é bom; mas todo o resto se ferra. Direta ou muito indiretamente você também se ferra.

    • Juliano
      27/04/2012

      poderia discordar de muitas coisas que tu falou, mas no momento estou com tanta pressa que nem sei porque estou escrevendo isso, alguém eis de te responder

    • Mr Hertz
      27/04/2012

      estupro nenhum, adriano. voce é que está enxergando pequeno, quando a coisa é tão simples.

      simplesmente o teu país ta engolindo tanta reserva na forma de impostos, e nao ta retornando nada ao proprio país, que distorcoes absurdas começam a acontecer, e dessa forma torna-se mais barato comprar legalmente um produto vindo do exterior, com todas as taxas e tudo mais, do que comprar aqui na esquina.

      o que estamos fazendo é apenas exercer nossa liberdade de busca por uma praça de venda mais competitiva.

      se estamos assim, é porque todo dinheiro que é lançado da maneira como voce disse, com compras no território nacional, é embolsado, mascarado e sumido no bolso de políticos e mega empresas que fazem contratos por baixo do pano, serviços simples mas vendidos a preços astronômicos, e tudo isso é roubado do seu e do meu bolso.

      mas voce enxerga isso??? nao…. pra voce, adriano, o país faz tudo por nós, e nós nada por ele.

      afinal temos um país com uma excelente infra estrutura né….. com educacao, escolas de alto nivel, com excelentes estradas, com um otimo fluxo de informacoes e processos no serviço público, com hospitais em pleno funcionamento onde nao falta médico, medicamentos e leitos….. temos tambem super escolas com a mais nutritiva merenda escolar, né mesmo.

      ADRIANO…. para de se iludir. ACORDA !!!

    • The Punisher
      27/04/2012

      O que eu posso dizer com toda franqueza é que, depois de ler seu comentário, tenho 100% de certeza que nada nesse mundo me surpreende mais, ainda mais no mundo em que vivemos atualmente!

    • leandro(leon belmont)alves
      27/04/2012

      Adriano, é exatamente por isso que estamos reclamando. se o Steam for barato e sem taxas, não precisaremos apelar a pirataria ou Torrent. simples assim cara.

      tudo bem que você disse sobre comprar jogos originais e o resto é pirata…eu mesmo faço a minha parte e tento ter o produto original, seja Cd de música,PC,sandálias havaianas ou game.

      e aqui é um sites de games, o que esperava?

    • Adriana
      27/04/2012

      Adriano, você precisa ver o mundo de uma forma globalizada, o dinheiro que sai daqui e vai parar nos bolsos de americanos, europeus, chineses, etc. acaba retornando quando eles adquirem nossos produtos. Tanto o é que há previsão de economistas de que se a economia espanhola encolher mais, o Brasil vai começar a sentir alguns efeitos de crise, já está sentido com a política cambial agressiva dos países desenvolvidos.

      A Desura, GOG, Gamers Gate e principalmente a Steam abriram as portas das empresas indies que não tinham como disputar com as grandes empresas, isso inclui as pequenas empresas brasileiras desenvolvedoras de jogos, através dessas lojas essas empresas também podem disputar no mercado mundial de games.

      Empresas do mundo todo estão tendo acesso ao mercado mundial de games graças à essas lojas onlines. Veja só quantos empregos indiretamente a Steam gerou, jogos indies estão sendo mais visibilizados graças à facilitação da distribuição digital online proporcionada por ela.

      Quando vi o Sr. Moacyr Alves falando do seu encontro com Gabe percebi arrogância e ressentimento nas palavras dele. Gabe foi errado e deselegante ao não recebê-lo e nem informar do cancelamento da reunião? Foi. Porém, o Sr. Moacyr foi também mal-educado ao utilizar o jeitinho de brasileiro que fala com tanto orgulho no video. Era para ele ter pagado deselegância de Gabe com elegância, pois dizem que Gabe é uma pessoa muito educada, com certeza ele ficaria sem graça e pediria desculpa por não tê-lo recebido. Quer deixar um gringo irritado? Use o jeitinho brasileiro. Gabe já participou da conversa tendo uma visão negativa do Sr. Moacyr e, consequentemente, do Brasil.

    • Siri
      02/05/2012

      Pqpvc, hein, Adriano!
      Me fez sentir um idiota agora. Resumiu em poucas linhas minha diarréia de caracteres ali embaixo, hueheuheuheh. xD

      Resumindo ainda mais, eu chamaria isso de “hilário hedonismo da geração Y”.

  48. leandro(leon belmont) alves
    27/04/2012

    aposto que o Ludobardo vai bolar algum vídeo sobre o Assunto, é só esperar.

    • Mr Hertz
      27/04/2012

      so quem tem coragem de por a tapa a cara é que vai se mostrar… vamos ver quem entra na linha de ataque.

  49. brunopessoa
    27/04/2012

    tudo pelo agente lutou foi e apoiou esse merda foi pro espaço, agora ninguém vai mais apoiar outra causa. Esse é o grande problema da humanidade esperar que apareçar um messias pra resolver nossos problemas, se o problema é nosso então nós é que temos ter atitude de resolver.

    • Mr Hertz
      27/04/2012

      matou a pau , bruno!!! disse tudo.

      o mal de brasileiro é esperar sempre que venha 1 pra fazer o trabalho de milhares.

      nós ja somos milhares, entao o que temos é fazer 1 trabalho, que é o de batalhar pelo que nos interessa, ou pra que se mantenha o campo de acao onde possamos comprar produtos sem medo, sem más lembranças, sem receio de faltar dinheiro amanha.

      o bruno ta coberto de razao… É HORA DE VOCES TODOS AQUI QUE USAM ESSE BLOG , QUE TODOS VOCES FIQUEM ATIVOS E PARTICIPANTES.

      nao esperem pra vir outro moacyr da vida pra iludir todos, porque se deixar, vem outro mais bonitinho do que ele, com uma outra conversinha pra pegar todo mundo de vez.

      fiquem de olho, sejam ativos…..

      ESSA É UMA BATALHA DE TODOS, E TODOS ESTAMOS NO CAMPO DE BATALHA.

      • leandro(leon belmont) alves
        27/04/2012

        Mr Hertz, concordo plenamente contigo em a gente lutar nessa causa, mas tem uma coisa:

        você alguma idéia do que faremos agora ou quando a coisa esquentar?

        ….

        se for um plano de boicotar a Acigames:

        http://boicoteacigames.blogspot.com.br/

        é uma maneira de lutar…acho eu

    • Adriana
      27/04/2012

      Concordo totalmente com você Bruno, a nossa constituição nos dá várias ferramentas para participarmos da democracia e lutarmos por nossos direitos, basta sabermos utilizá-las, ou invés de fica esperando o messias.

  50. vinicius
    27/04/2012

    snake nooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

  51. CPR
    27/04/2012

    “mas sim criar formas de regulamentar a maneira como as mídias digitais são classificadas e distribuídas no Brasil por empresas estrangeiras, afim de criar uma competição saudável promovendo oportunidades para todos (…) de acordo o objetivo inicial da criação da ACIGAMES(…) tendo em vista o crescimento e profissionalização do mercado nacional
    Apenas interesse em mostrar ao governo as oportunidades e benefícios que este mercado pode oferecer, sempre vislumbrando o crescimento do mercado, a geração de empregos e a visibilidade dos talentos brasileiros”

    Esse é um argumento demagógico usado pelos nossos políticos pra poder extorquir nosso dinheiro com “contribuições”. Argumento velho e batido. Só trouxa acredita numa conversa furada dessas. Demonstra total desconhecimento do mercado de games. Dá pra ver q esse senhor, pelo visto, é só mais um oportunista que quer um cargo público (mas não quer passar pela peneira do concurso público). Tá cheio de gente assim no Brasil, infelizmente. Quanto ao maluco aí de cima q disse q nós não contribuímos pro nosso país ser mais justo chega a ser piada né? O sujeito vende o jogo barato, a galera compra q mal tem nisso? Até parece q é obrigação e do steam e seus afiliados “salvarem” o Brasil dando o dinheiro pra políticos espertinhos e sustentando uma máquina corrupta, falida e ineficiente. Bom saber q o pessoal daqui deu a resposta q esse cara merecia. Isso é sinal de q as coisas ainda não estão totalmente perdidas.

    No mais, eu não ligo muito pra esse negócio de jogo justo e essas coisa toda. Só compro jogos quando eu quero num preço q eu achar justo. Compro pouco e não quero depender de ninguém pra comprá-los. Muito menos de gente oportunista, corrupta e safada.

  52. Fabão
    27/04/2012

    o pior no discurso do moacyr é falar em proteger o mercado brasileiro de jogos, ora bolas, dá um incentivo fiscal então a empresas como nuuvem e xogo (não tenho certeza se a xogo tb é nacional, me corrijam por favor se caso falei besteira), isso sim é proteger o mercado brasileiro q ainda está em uma fase embrionária, ao invés de ficar fazendo carnaval com declarações estupidas e precipitadas… a unica coisa boa disso é ver a mobilização da comunidade gamer em não ficar calada, em se manifestar, pena q a gente só assim com o q nos interessa, povo brasileiro tinha q descer a lenha em tudo q tá errado, da segurança a a saúde, descer o sarrafo em quem merece

  53. Mih
    28/04/2012

    Olha,fiquei até sem palavras…Realmente isso é revoltante =\ Sempre apoiei o “Jogo Justo” desde o começo,mas a depois dessa declaração só tenho uma coisa a dizer:
    http://bit.ly/uK9Yzu

    Ah,olhem esse video(a maioria já deve ter visto,mas vale a pena ver de novo):
    http://www.youtube.com/watch?v=zffeml7C4yU

  54. Guto Collares
    30/04/2012

    Do ponto de vista estritamente legal… O Steam não é merecedor de isenção nenhuma que eu conheça. É comércio de produtos digitais tal e qual a loja da esquina. A ausência de distribuição física não transfigura a natureza de sua atividade nem lhe atribui prerrogativas que de outra forma não teria.

    Dito isso, tenho certeza que o mal-estar advindo dessa ideia de taxar o Steam não se dá pelo incremento no preço. Quem paga 100, pagaria, sem dúvida, 125 talvez mais, por um game.

    A dor moral, o ódio, a cólera, a ira, a indignação (que EU também sinto) é porque esse dinheiro vai pros cofres públicos e – em sua maior parte – vira ÉTER. O Governo parece dotado de poderes sobrenaturais e tal e qual a transubstanciação do vinho nas bodas de Canaã, faz o dinheiro sublimar, sumir, transportar-se para fora do multiverso.

  55. jonathan
    30/04/2012

    sabe, me impressiona que as pessoas que são gamers no brasil não tenham percebido que a taxação dos games sob demananda é literalmente inevitável e o problema não é essa taxação, ela pode ser JUSTA sim, o problema não é a taxa é a forma que ela é aplicada e utilizada, qualquer pessoa madura sabe que não existe almoço gratuito e que o imposto é necessario, o STEAM só não é taxado pelo mesmo atraso que tecnologico que criam leis azeredo, a falta de uma regulamentação de meios de distribuição digitais sob demanda é tão ruim quanto a criação de leis para proibir a venda de jogos. Está na hora de pararmos de olhar para o nosso umbigo, pararmos com essas revoltinhas de sofá e agirmos por interesses justos, por taxas e preços justos , pelo uso correto do nosso dinheiro, esta na hora de LUTAR contra essa manipulação em todos os níveis que existe em nossa sociedade, essa legislação atrasada e essas taxas absurdas não são um problema só dos gamers é hora de acordar para a realidade e ver que somos apenas uma peça nesse quebra cabeças que é nosso país

  56. 30/04/2012

    Eu realmente estou pasme com o que esta acontecendo agora. Estava ausente por alguns messes e perdi capítulos da guerra contra as taxas abusivas da importação, alfandega e etc, ao mesmo tempo em que notava que vários walkthroughs, trailers e etc de jogos estavam sendo removidos do youtube e outras redes sociais com a mesma finalidade com desculpa de “copyright”, agora vendo isso dá até para chegar a uma conclusão do porque.
    Como eu estava falando antes, tirar os videos do youtube são uma certa maneira de fazer o gamer ir em busca de comprar o jogo, mas isso me deixa com uma conclusão apenas: afinal, eles fazem o jogos só visando no lucro? Onde a parte do divertimento do jogador fica? E aqueles que querem avaliar se o jogo vale ou não a pena de ser jogado não tem mais direito a fazer isso?
    Não parece mas essa questão da tributação e copyright meio que ajuda nessa questão da falta de acesso aos jogos e nunca que vai acabar com a pirataria. Eu sou super fã da Steam justo por essa iniciativa de facilitar o acesso aos jogos, mas se isso realmente for durar pouco não só agora por causa do IOF duplicado como do aumento de impostos que estão visando fazer, além da censura de videos nas redes sociais, realmente serão tempos difíceis

  57. Ryukendo
    01/05/2012

    Alguém acompanha a Novela da Record MASCARAS?
    rsrsrs

  58. Adriano
    02/05/2012

    Boicotar o jogo justo, bobagem de criança fazendo birra. É uma iniciativa válida, se for usada da forma correta e legal. O que eles podem tentar fazer por nós: diminuição radical de impostos, isenção de tarifas por determinado período para empresas que quiserem se instalar no país(como steam, por exemplo), incentivos para incremento da indústria nacional etc e tal. É uma arma poderosa, ter representatividade junto ao governo. É o mais perto que podemos chegar de um Lobby.

    Claro, Você pode ir com a maioria das pessoas e sair nas ruas com a cara pintada gritando “fora Moacyr”(os comuns adoram isso, é uma festa!); mas, na verdade, diminuir a autoridade dele diante do governo ou mesmo tirá-lo do cargo, seria mais prejudicial para vocês.

    Quanto a Steam e empresas afins, elas são uma afronta a economia nacional. Jogar nossos dólares pela janela, sinceramente. Eu entendo vocês, sério… se taxassem o porn, eu ficaria muito irritado. Mas eu sei que estou errado e realmente não entendo como vocês não enxergam isso. Não estou dizendo que o governo invista cada centavo no povo, nem que eles sejam o modelo ideal(não sou idealista como vocês). Estou falando de economia apenas e a lógica econômica é simples.

    Do mais, Balança comercial favorável e um pouco de protecionismo são conceitos muito bem vindos desde o nascimento do capitalismo.

    • Guto Collares
      02/05/2012

      Não creio que a motivação da eventual taxação se fulcre num possível protecionismo alfandegário.

      É captação fiscal de recursos, isso sim.

  59. BoicoteAciGames
    02/05/2012

    Bom dia…

    tópico novo no blog…boicoteacigames.blogspot.com.br

    Abraço

  60. The Punisher
    02/05/2012

    É incrível que quase sempre vem um ou outro criticar ou chamar quem comentar aqui a bom tempo ou até as próprias GoW de criança, agora realmente fazer uma critica construtiva ou ajudar de alguma forma, dando alguma sugestão plausível isso não fazem não, pois criticar é fácil.

  61. Siri
    02/05/2012

    Fico triste em ler este post e seus comentários.
    Não quero atacar ninguém de forma particular ou direta, nem mesmo ofender a honra de qualquer um aqui mas acho deprimente que as coisas sejam repetitivas desde que o Brasil é o Brasil

    Já que todos já deram seus pontos de vista também darei meu depoimento. Tentarei ser o mais breve possível.

    Pelo vídeo, a idéia do Moacyr é a óbvia: a cobrança de impostos serve como medida protecionista do nosso mercado. Além de proteger toda uma cadeia comercial ainda geraria mais postos de emprego neste setor direta e inderetamente. Isso acontece em qualquer setor (espero que todos aqui vejam/leiam jornais).

    Eu sei que isso é muito delicado e que serei invariavelmente mal interpretado, mas alguns pontos de vista da Vivi são equivocados ou questionáveis (de minha parte, ao menos):

    “nós não apoiamos nenhum tipo de taxação extra aos nossos jogos eletrônicos”: Não sei como funciona o Steam, mas há algum tipo de taxação sobre o que você compra lá? Se não houver então não pode haver “extra”.

    “Sinto muito pelos lojistas, mas eu não planto dinheiro no quintal de casa”: Poxa… vocês são formadoras de opinião… Esse tipo de (falta de) argumentação e linguajar eu não esperava ver aqui. Não de uma Girl. :(
    Este parágrafo e o seguinte se parecem com reclamação impensada de Orkut, o chamado “mimimi”. Não quero te ofender, Vivi, mas agora que deve estar de cabeça mais fria talvez discorde menos de mim ao reler seu texto, rs. ;p

    Sobre essas idéias como “o Brasil ainda não produz jogos eletrônicos numa demanda suficiente para concorrer com a indústria AAA internacional” eu questiono: como atingiríamos um nível “AAA” se todos comprarem no Steam ou contrabandeassem? Nosso país não está nem perto de ter IDH de país “AAA”. Nossa economia não está em nível “AAA” nas agências de risco financeiro. Não somos japoneses, europeus nem estadounidendes.
    Ande em Tóquio ou Zurique e depois ande por Sampa ou Rio. Se a gente vive literalmente no meio do lixo por que se preocupar mais com um supérfulo como videogame? Nem educação temos.
    Aliás, isso seria como cotas em universidades. Cada um dando seu jeitinho brasileiro de conseguir tudo fácil e levar vantagem. Aquela Lei de Gerson de sempre.
    Ao invés de lutar por um imposto justo a gente pirateia ou compra fora. Mais fácil assim, né? Assim como é mais fácil se fazer de coitado em frente a uma universidade pública ao invés de estar estudando pra passar com honra e louvor.
    Não somos um país “AAA” e justamente por isso não temos padrão de vida “AAA”. Vocês moram em ruas limpas, seguras, silenciosas, com um jardinzinho florido e uma cerquinha de 30cm em frente a vossas casas? Todos aqui temos picapes de US$200.000 na garagem (uma pra cada membro da família)?
    Videogame é artigo de luxo, supérfulo. Não é algo essencial a nossas vidas. Você quer? Legal, mas terá de trampar muito pra conseguir comprar algo tão caro assim. iPhones são caros aqui. Big Macs são caros aqui. Tudo é mais caro aqui, inclusive os carros produzidos aqui e exportados para a Argentina.
    Sim! Carros produzidos no ABC paulista custam mais barato lá na terra do Maradona do que aqui. “Como isso?” Pois é…
    Gostaria de ter uma Ferrari, mas não tenho grana pra comprar uma. O que eu faço? Roubo uma? Depois roubo gasolina porque gasolina é cara aqui?
    No Principado de Mônaco as pessoas têm Ferraris e Porsches. Na Venezuela encher o tanque deve custar alguns pocuso centavos. Mas isso o que tem a ver com nossa realidade?

    • The Punisher
      02/05/2012

      Bom Siri tá certo que videogame é uma coisa supérflua como esta dizendo o que de certa, por um lado não deixa de ser verdade, mas acontece que o que está sendo discutido aqui é exatamente isso e creio que se quer discutir algo do tipo IDH do país ou a injustiça social do mesmo deve-se procurar ou espaço ou blog, pois, afinal aqui é um blog sobre games e não um em que se trata dos problemas sociais do país e justamente por isso não acho que seja exagero querer um preço mais justo, mais em conta para os consoles e seus respectivos jogos, porque se for assim creio que você (não me entenda mal por isso) deveria ir atrás de artistas/músicos/cantores como o Lobão e demais e dizer exatamente o mesmo que disse aqui. Que CDs são coisas supérfluas e etc. E talvez até você pense e se justifique dizendo algo do tipo “mas CD é música e música é cultura de um povo de um país aí sim eu justifico brigarem por um preço mais em conta para o povo ter acesso à cultura”, mas ainda sim eu te diria novamente, o que está em discursão aqui não é se é uma coisa supérflua ou cultural e sim preços altos incompatíveis com a renda do brasileiro, taxações e impostos abusivos.
      E como o leandro(leon belmont)Alves mesmo disse “e aqui é um site de games, o que esperava?”

    • The Punisher
      02/05/2012

      Uma das melhores formas de fazer boicote é procurando lugares onde se vendem games mais baratos e deixar de pagar esses preços abusivos das lojas, e como eu mesmo já comentei aqui, 99% dos games que comprei foram pelo mercado livre, lançamentos mesmo com preços mais em conta que nas grandes varejistas.

  62. Marcelo Almeida
    02/05/2012

    Adriano ,
    Então você acha que temos que apoiar o cara, entendi.
    E viva as taxas, o cara acabou de chegar no governo, não fez nada para os Gamers até agora, e quando abre a boca é para falar besteira, sem conhecimento de causa nenhuma, ou seja vamos apoiar um cara que não conhece nada.
    Acredito que o Adriano possa dizer o que ele fez de útil e valido até agora??

  63. Juliano
    02/05/2012

    eu não sei quem é mais inocente

    se são os que apoiam o moacyr achando que isso trará ao nosso país, empregos e um crescimento astronômico (e não lucro aos lojistas, uma subsistência que seja da mídia física)

    ou

    são os que não acreditam em nada (afinal quero pagar barato no meu jogo e dane-se o resto)

    só marty mcfly com seu DeLorean poderia nos dizer

  64. Siri
    02/05/2012

    - Veja que nas linhas em que se lê “não acho justo e não compro mais jogo por 199,00 Reais. Sinto muito pelos lojistas, mas eu não planto dinheiro no quintal de casa” ironicamente temos logo ao lado propagandas de jogos de uma grande rede de varejo com jogos a que preço?
    Eu acho extremamente saudável isso. Se fosse em outro lugar ia rolar um “cuidado” para que o texto ficasse chapa-branca. Só que ainda assim fica estranho e contraditório. Alguém “mais adulto”, digamos, poderia pensar “como diabos elas são contra algo que propagandeiam”?
    Não se enfureçam, mas notei isso e achei poderia afetar a imagem do site de alguma forma.

    Quanto ao Jogo Justo e outras coisas que vocês “apoiaram” e nem se lembram (“impostojustoparaosgames” e aquela coisa bizarra do bizarro fulano Felipe Neto, que nem sei “se existe ainda”) eu sempre torci o nariz.
    É claro que eu quero um preço justo, mas o que seria preço justo?
    Coverta o preço de um jogo lá fora diretamente pra nossa moeda. Digamos, uns US$60 pra um dólar a R$1,90. Dá por volta de R$120.
    Justo? Aposto que 99% dos chiadores chiarão. ‘Cês querem pagar quanto? Street x Tekken tá nesse patamar desde o lançamento aqui e quantos compraram original? Até quando PES foi lançado a R$50 o povo ainda comprou/baixou pirata…
    Juro que, de tão automático, o cidadão vai e me compra um God of War 2 de PS2 no camelô por R$25 sendo que tem por aí tabelado por R$19,90 (e eu comprei o 1 e o 2 por R$15 cada). J-U-R-O-!
    Daqui a pouco vão querer que o jogo seja de graça e ainda venha com uma nota de cem contos no encarte.

    Bom, e ninguém “apoiou” nada. Retweet e “curtir” são ativismo de sofá.

    Quando essas coisas surgiram eu logo pensei: “Por que diabos diminuir imposto só de games? Que coisa mais infantil. Se tudo que a gente compra já é hiperinflacionado por impostos e cartéis por que não lutar pela diminuição de todos os impostos?”
    Digo, não adianta deixar games na banquinha do um-e-noventa-e-nove e ver o Impostômetro bater na casa dos trilhões. Comida é mais caro e eu como mais do que jogo. Me interessa mais ver uma bela peça de picanha no R$1,99 do uma edição de colecionador de Mario.
    O IOF – bem lembrado pela Vivi – me preocupou bem mais do que este vídeo do Moacyr. A política de isenção de IPI e outras coisas, as políticas do BC, COMPOM, Dilma e os escambau são mais importantes. E tudo isso afeta direta e indiretamente o preço dos jogos. Mas quem quer pensar e fazer algo de verdade? As pessoas têm preguiça até de levantar do sofá pra jogar Kinect (não mintam, eu também não tô muito afim de ficar pulando feito bobo na frente da TV, ainda mais nesse frio, rs).

    Dar tanta importância SOMENTE aos games é algo, sim, infantil. Até porque, se as coisas aqui fossem justas seriam pra tudo, até pra games.

    Espero que não tenham me interpretado tão mal assim, só quis deixar aqui um pontode vista que considero humildemente mais lúcido.

    • The Punisher
      02/05/2012

      Uma coisa se tem que pensar bem antes de se generalizar. Não é por estarmos querendo que os impostos de consoles e/ou jogos caiam e se tenham preços mais em conta, mais justo e que condiz mais a realidade da renda do brasileiro, do nosso país, que estejamos aceitando que os demais impostos de outros produtos e mercadorias continuem abusivos, não mesmo, afinal, imposto é imposto e nesse país é alto em qualquer produto e/ou mercadoria.

      • Siri
        02/05/2012

        The Punisher, espero que você e alguns outros leitores entendam (algum dia) que eu terei de me abster de uma tréplica a vossas mercês. ^_^

        Aos raros outros: falácia do espantalho é dose, hein? :\

  65. Bel
    02/05/2012

    Aqui no blog todo mundo sabe que os impostos em geral no Brasil são altos, mas como foi dito antes:

    ISSO AQUI É UM BLOG DE GAMES

    Existem muitos lutando pela baixa de impostos sobre alimentos, sobre operaçoes financeiras, até mesmo sobre a renda…e eu apóio isso se o imposto for exorbitante.

    Nós damos importância ao games não apenas porque AMAMOS jogos, queremos pagar um preço justo, a porcentagem de impostos no preço final é absurda! Todo mundo aqui dá valor ao dinheiro que ganha.

    Nem todo mundo tem dinheiro para pagar 250,00 num jogo, pra muitos isso é mais de 25% da renda mensal.

    Ser infantil é simplesmente não fazer nada a respeito, tapar os olhos e ouvidos. Só porque apoiamos a baixa de impostos nos games nao quer dizer q damos um grande FO#$%#-SE a todo resto

    • Vivi Werneck
      03/05/2012

      Concordo com você Bel.

  66. Siri
    02/05/2012

    Me antecipando aos que falarão (perdão se já vieram com essa mas pulei vários posts) sobre salário mínimo, games não fazem parte da cesta básica.

    • Siri
      02/05/2012

      Btw, o que vocês entenderam da carta? Eu li duas vezes, mas estou sonolento (sono atrasado de dias e dias) e entendi o seguinte: “viemos por meio desta dizer que dissemos o que foi dito”.
      Não vi nada de contradição ou voltar atrás .

  67. Guto Collares
    02/05/2012

    Cara, seus argumentos são sóbrios. Eu entendo. O ponto de vista é possível de ser defendido dos dois lados, a depender do interesse e do entendimento.

    Só quero deixar registrado que a questão é que os tributos (yes, gênero dos impostos e taxas) já estão consagrados nos produtos que você exemplificou, tais como cesta básica, a fictícia picanha de 1,99 entre outros, enquanto no Steam, os games AINDA estão livres. Ninguém aqui está querendo depor o regime… quer-se somente manter o que está posto.

    Elisão ou evasão fiscal? Não sei. Mas isso não é o ponto principal. A questão é que o governo quer MUDAR isso. Enquanto o Planalto quer MANTER o status quo da carga fiscal no resto das coisas do Brasil, aqui há a tentativa de MUDANÇA e, no que diz respeito a isso, a coisa mais normal do mundo é um contra-movimento na presença de uma força de mudança. Ação e Reação, física elementar, lembra?

    Então, eu mesmo NÃO concordo com o movimento anti-taxação como está. (veja um post anterior em que digo que não vejo motivos pra isentar o Steam) Mas entendo sua existência, sua argumentação e a expressão volitiva de cada um que falou aqui.

    D´outro lado, dizer que “Retweet e “curtir” são ativismo de sofá” não é muito polido. Mormente se for levado em conta que o teu post, mesmo cheio de modismos terminológicos, também é forma de ativismo de sofá… Ou de bureau… Whatever.

    • Siri
      03/05/2012

      Estamos de acordo não pleno quanto à cobrança de taxas, mas quanto à destinação dos tributos é algo que está no mesmo patamar do discurso dos demais.

      Resumidamente dá no mesmo, pois quem tem de cuidar disso é, de fato, o Governo, mas quem tem de cuidar do Governo? Nós, não?
      Atirar contra eles é tiro no pé. Óbvio que eles vão deitar e rolar na grana, nós não cobramos, cobramos? Assim, se vocês jogam a eles próprios o dever de se policiarem… Você deixaria uma criança cuidando de um pote de doces e depois esperaria que ela mesma se pusesse de castigo por ter comido tudo?

      Não tem lógica alguma.
      Isso é omissão, além de fugir de suas obrigações você estaria colocando SUAS obrigações como sendo obrigação de outrém. Aí quem seria mais criança? Logo vemos a infantilidade inegável.

      Sobre ativismo de sofá não ser polido… bom, polido ou não é isso mesmo simplesmente. De que forma você vê isso como não sendo?
      Dos meus posts serem também, depende do que você acha. Se puder apontar algo objetivamente e discorrer sobre… ^^
      Mas aí os seus também seriam e tudo em qualquer lugar o seria, não? Fiquei sem sacar este ponto. :/

      • Guto Collares
        04/05/2012

        “Assim, se vocês jogam a eles próprios o dever de se policiarem… Você deixaria uma criança cuidando de um pote de doces e depois esperaria que ela mesma se pusesse de castigo por ter comido tudo?”

        Não, não. Eu não criei os órgãos de controle, CGU, Cortes de Contas, Ministério Público, etc. Ninguém aqui fez isso. Então, não entendi esse “vocês”.

        Na realidade prática, os governos são auto-regidos, auto-fiscalizados e autotutelados. Há muito que a esmagadora maioria dos Estados modernos vive numa Autocracia cíclica. Mostre-me uma democracia real e eu te mostro uma mentira.

        E Você também está inserto nessa realidade, embora se utilize desse escapismo magnífico de se achar acima ou ao lado da sociedade massificada.

        Tudo aqui é ativismo de sofá, SIM. Enquanto não se constituir como agente modificador ou operador de políticas de iniciativa social, nada mais é que uma opinião postada num blog. Acreditar em mais que isso… Aí sim, é a “infantilidade” reportada na tua parábola.

        • Siri
          04/05/2012

          Não, não. Eu não criei os órgãos de controle, CGU, Cortes de Contas, Ministério Público, etc. Ninguém aqui fez isso. Então, não entendi esse “vocês”.

          “Vocês” se refere àqueles que reclamam sobre políticos roubarem o dinheiro dos impostos que eles mesmos controlam, bem como têm o poder de aumentar o próprio salário etc.
          É como deixar o ladrão com a chave do cofre.
          A culpa é do ladrão de fazer coisa de ladrão (roubar) ou de quem foi anta de deixar a chave na mão dele?

          Na realidade prática, os governos são auto-regidos, auto-fiscalizados e autotutelados. Há muito que a esmagadora maioria dos Estados modernos vive numa Autocracia cíclica. Mostre-me uma democracia real e eu te mostro uma mentira.

          Whiskas Sachê.
          O quem isso a ver com algo aqui? Óbvio demais para pessoas como eu ou você isso, não?

          E Você também está inserto nessa realidade, embora se utilize desse escapismo magnífico de se achar acima ou ao lado da sociedade massificada.

          Rasteira rasteira, hã? ;P
          Devolveria a mesma falácia a ti e isso funcionaria de forma ainda mais magnífica, não acha?
          Então, prove-nos o que eu acho de mim mesmo (risos) e então prove-nos o que achas de ti mesmo. Depois comprovaremos confrontando a realidade.

          Tudo aqui é ativismo de sofá, SIM. Enquanto não se constituir como agente modificador ou operador de políticas de iniciativa social, nada mais é que uma opinião postada num blog. Acreditar em mais que isso… Aí sim, é a “infantilidade” reportada na tua parábola.

          Não me lembro de ter negado que eu mesmo esteja sendo inútil. Para alguém que quer escrever tão eruditamente eu esperara um nível de leitura no mesmo patamar.

          Mas já que estamos a debater psicanálise, diria Freud ou Lacan (ou qualquer orkuteiro semi-analfabeto) que escrever de maneira rebuscada num blog de público-alvo jovem, de linguagem coloquial, nada mais é que um tapume, uma espécie de escudo para defender um ego frágil e imaturo. Uma espécie de ataque passivo a outrém, ou ao menos uma tentativa de intimidação.

          De qualquer forma, vê-se que uma hora isso estará fadado ao fracasso, dado o fato de que eventualmente se encontrará alguém que perceba esta artimanha e então ela não só se torna inócua como também vira-se contra o feiticeiro.

          Era mais fácil dizer “criança é quem fala, búúú!”, mas aí ficaria evidente o oposto. Daí o uso da linguagem floreada. :)

          Mas não fique bravo, é só internet e eu nem te conheço e tal…

          De qualquer forma espero que não leve isso para o lado pessoal. É um debate bobo e… pasme, infantil mesmo, não é?

          Encerremos por aqui e apertemos as mãos porque a tia da creche não quer saber quem começou, certo? ^_^

          Abraços!

          • Guto Collares
            04/05/2012

            Hehe.. touché;

            Boa, boa.

            Não levo mais nada pro pessoal. Desde muito.
            Tamanho e jeito de vocalizar a opinião é que talvez provoquem a impressão errada.
            Simplesmente me contento com um ensaio de debate. E esse saiu melhor que a encomenda.

            No mais, tem razão, a professora já chegou.
            Parabéns pela argumentação, mesmo que eu não concorde nem com a posição das vírgulas.

          • Bebs
            04/05/2012

            Pra mim vocês se subestimam (e aos outros) quando falam em “ativismo de sofá” ou “infantilidade”, sabia? Ou, como disse o Siri: “não me lembro de ter negado que eu mesmo esteja sendo inútil“. Pq você estaria sendo inútil em conversar com colegas sobre interesses em comum?

            Primeiro que não dá pra julgar se alguém é “ativista de sofá” sem conviver com a pessoa. Como adivinhar o que cada um faz na sua vida pessoal, se realmente se mexe pra mudar alguma coisa ou fica só comentando em blogs? As pessoas podem “reclamar” na internet e também tomar atitudes concretas, uma coisa não anula a outra.

            Segundo que, de forma educada e sem levar muito pro pessoal (que era o que vocês estavam fazendo), é bem positivo usar espaços como este pra expor opiniões diversas, debater temas polêmicos e tudo mais. É uma forma de dialogar, trocar experiências, expandir horizontes. Eu, pelo menos, adoro acompanhar os debates que rolam no GoW e aprendo muito com o que vocês comentam. :)

            E Siri, você pode até ter ganhado de mim, mas nunca dos giga-comentários do James! heuheueh

            Beijo procês. ^^

  68. Vivi Werneck
    03/05/2012

    @Siri,

    Respeito muito a sua opinião, mas realmente não retiro o que eu disse e não acredito que eu tenha sido mal educada ao falar. Diante do tom que alguns já comentaram em outros sites e blogs eu até fui muito polida. Também não considero infantil o meu comentário e realmente acho um absurdo o valor dos jogos vendidos em mídias físicas no Brasil, que têm os valores mais altos do mundo.

    Quando me referi que não damos apoio a mais um imposto, estou me referindo a acrescentar mais sobre o que já existe. Se querem instituir mais alguma coisa para nós pagarmos por um lado, qual a garantia que isso será realmente investido de volta para nós? A quantidade já exorbitante de impostos que pagamos está realmente sendo repassada como deveria?

    “ironicamente temos logo ao lado propagandas de jogos de uma grande rede de varejo com jogos a que preço?”

    Precisamos pagar o servidor e a manutenção do blog – infelizmente ninguém nos banca (por isso precisamos de publicidade, senão o blog morre sem poder se sustentar), além disso parcerias como essa garantem mais promoções e sorteios para VOCÊS leitores por aqui, já que não temos grana para bancar tudo de nossos próprios bolsos.

    Respeito o fato de você ainda nutrir esperanças pelo Jogo Justo e eu também espero que ele volte à sua ideologia inicial, mas por favor, não menospreze o trabalho que o Girls of War faz com todo carinho para os leitores nos chamando indiretamente de “infantis”. Entristece ler isso e espero que eu tenha interpretado errado essa parte. É claro que podemos não acertar sempre e vamos errar muito ainda, pois somos humanas! Você pode atestar, com 100% de certeza, que a sua opinião sobre o assunto é a mais correta e irrefutável?

    Como já foi dito anteriormente, aqui não é um blog de política, sociologia e/ou economia. É um blog de games e apenas tocamos nesse assunto a pedido dos próprios leitores, pois não gostamos de nos envolver nessas polêmicas. Mas o assunto realmente precisava ser abordado.

    Não estamos sendo omissas aos demais problemas que o Brasil enfrenta (saúde, educação, desigualdades sociais…). Não somos alienadas e sabemos que eles existem e – da nossa maneira e particularmente – fazemos a nossa parte também. No entanto, nesse blog, apenas estamos focando pura e simplesmente no assunto que abordamos aqui, ou seja, jogos.

    Por favor não me odeie, senão terei de matá-lo! rs

    Bjinhos.

    • Siri
      03/05/2012

      Vivi, não disse em momento algum que você tenha sido mal educada. Onde isso?! o_O
      Se foi pela parte em que questiono pomares de dólares era inesperado a falta de argumentação agravada com o uso de termo paupérrimo como embasamento, mas não vejo nada de mal educado. A não ser, talvez, pelo fato de frases de efeito de efeito inóuco me incomodarem dada a repetição e ineficácia, mas ainda assim não seria falta de eduação. :)

      Sobre a taxa “extra”, ela não é extra, pois já existe (Imposto de Importação, “II” http://pt.wikipedia.org/wiki/Imposto_de_importação), só não é cobrado porque os velhotes coronéis não sabem o que é Steam. Fora que cobrar sobre isso é bem complexo, já que a entrada das coisas é virtual e não material. Ou seja, não estariam cobrando nada do que já deveria ser, por lei.

      Sobre custos de servidor, eu sei mas o que tem isso a ver com o que eu disse? O que eu quis dizer é que isso é absurdamente contradiório. Como você vai falar que é pra Saraiva tomar cajú e quer que a gente clique no banner? Cuspir no prato que come?
      Em momento algum disse isso em tom provocativo e foi até mesmo por zelo ao GoW e a sua imagem pessoal. Se fosse em outro site eu simplesmente pensaria “Ah, pqp! Nêgo tá querendo me fazer de trouxa e arrotar minha cara, né?” e então nunca mais entraria aqui e ainda faria propaganda contraia.
      Eu até disse que esse cometário é admirável, já que é a expressão sem censuras de sua opinião pessoal, nada de chapa branca, defendendo as empresas ou fazendo vista grossa sobre o assunto.

      “Respeito o fato de você ainda nutrir esperanças pelo Jogo Justo”
      Onde isso?! Nunca apoiei nem fui contra isso, tampouco nutro falsas esperanças.

      “não menospreze o trabalho que o Girls of War faz com todo carinho para os leitores nos chamando indiretamente de “infantis””
      Mááá onde isso, gzuz?!
      Eu não citei o nome de nenhuma das GoW, além do seu e não vejo em que lugar posso ter dito algo em tom de menosprezo.
      Quanto a chamar de “infantil” eu não disse nada indiretamente, foi direto mesmo. E não falei isso do site nem das GoW. Falei dos pensamentos e da falta de embasamento e lógica da maioria aqui. Não falei nada sobre as pessoas – que sequer conheço. Me expressei somente AOS RACIOCÍNIOS E NÃO ÀS PESSOAS, uai. :\
      Então, sim, você interpretou errado. Não se entristeça comigo. :D

      “Você pode atestar, com 100% de certeza, que a sua opinião sobre o assunto é a mais correta e irrefutável?
      Mas cabe a VOCÊS refutar meu pensamento.
      Cabe a mim, perante raciocíno lógico, questionar meu próprio raciocínio antes de expressá-lo. Isso se chama “pensar”.
      Se meus pensamentos e raciocínios estão errados eu não tenho mais capacidade de vê-los, mas isso não quer dizer que eu esteja correto. No entanto, se você vê algo de errado pode apontar e desenvolver seu raciocínio sobre o meu, assim como fiz sobre o seu.
      Isso se chama “debate”.
      Claro, mesmo que você não ache nada de errado no que eu falo não quer dizer que eu esteja certo, apenas que eu não estou errado.

      Agora, se for só pra vir aqui e falar o que pensa e não admitir pra si próprio que está errado perante fatos irrefutáveis isso seria “auto-afirmação” e/ou “orgulho”, entre outros.
      Não estou falando sobre você, Vivi, nem sobre niguém específico, vale pra todos os humanos, eu incluso.

      E não seria uma atitude dessas “infantil”? ;)

      Quanto ao GoW ser um blog de games, me perdoe, mas foi você mesma quem puxou o assunto que, supõe você mesma, não deveria.
      Querer culpar alguém aqui por falar sobre impostos num artigo sobre impostos é absurdo. Se não era pra falar então que não o fosse.

      Digo isso com todo o respeito, de coração mesmo, de alguém que vos adimira há muitos anos.

      Além do que, isso é uma redução absurda, entenda.
      Como a gente vai falar sobre impostos sobre games sem falar sobre impostos? Impostos sobre games são impostos sobre outras coisas também, não existe um “ISSG” – Imposto Só Sobre Games. E se for pra resolver as coisas temos de falar sobre várias outras coisas que, aí sim, são a raiz do(s) problema(s). Ou vocês acham que vão diminuir a carga tributária desbloqueando conquista na Live/PSN?

      • Vivi Werneck
        03/05/2012

        Sim Siri, eu sei que o post toca no assunto sobre impostos. Não estou culpando vc por tocar no assunto de impostos, apenas estava me dando ao meu direito de resposta e a liberdade de me expressar como eu julgue melhor para o momento. E enfatizar que não gosto de falar muito sobre envolvimentos políticos e tal, mas a pedido dos leitores toquei nesse assunto. Tanto não gosto de falar sobre isso que fui até sucinta no texto.

        E você tem todo o direito de discordar, isso é um debate. E realmente não planto dinheiro e nem “pomares de tomate” de dólares no quintal. Apesar da simplicidade da expressão não acho ela vazia, apenas a escrevi de uma forma simplificada porque não vejo motivo de complicar o que posso expressar de forma simples. Até porque ninguém tem nada a ver com meus problemas financeiros. rs

        PS: obrigada por explicar a parte que pensei ter entendido como ofensa ao blog. Interpretei errado então. No harm done.

    • Siri
      03/05/2012

      Ainda sobre o GoW ser blog de games (“e só”), espero que parem de repetir isto. Estaria errada então aquela coluna ali ao lado sobre entrevistas.
      Imagina eu dizendo “isso aqui é blog de games, não de entrevistas, num é talk-show aqui, mêo”. Cadê a lógica?
      Isso vale também para a categoria ali de “cinema + games” (“não é blog de cinema”), artigos sobre as profissões gamers (“não é site de emprego”) etc.

      Se esse tipo de argumento fosse válido, aqui seria só um blog de detonados – a única coisa que consegui pensar que não fala nada além de games pura e unicamente.
      Imaginem, num artigo sobre Child of Eden não poderíamos nem citar Kandinsky e aí o texto e os comentários seriam extremamente pobres.

      O que deixa este blog ímpar é, além de ser escrito só por garotas, o fato de que em muitos artigos podemos ampliar nossos horizontes e, JUSTAMENTE, ver como games se misturam com outras coisas.
      Na maioria dos sites as coisas são frias, só notícia crua, sólida. E mais nada. Eu acho chato, e vocês?

      E pra deixar claro o porquê de chamar os pensamentos (e até atitudes) de “infantis” é só ver a contagem progressiva ali embaixo de um post. Se a Vivi não tivesse passado o Golden Axe estaríamos com mais de mil comentários, sendo uns 900 deles só de números.
      Pararam pra pensar que botar só número e não comentar nada é a mesma coisa que dar “RT” ou “curtir”? É só o número de retweets e curtir subindo, subindo e não mudando nada.

      Sejam legais!
      Se você concorda com um comentário, ok, mas pra quê serve “1,2,3,4…”? Adicione algo ao artigo. Isso é legal e é exatamente isso que todos aqui achamos legal. No caso da Bebs foi tão legal que ela deixou de ser “comentarista”, como nós, e passou a ser autora dos artigos.

      Se quiserem digitar números pra concordar, ok. Mas digitem o porquê de concordarem o post. Desenvolvam as idéias!

      Imagina que legal se eu e outros digitássemos “-1,-2,-3…” por discordar e só. Triste, hein? Aliás, ainda bem que não colocaram aquele plugin de comentários do Intense Debate aqui…

      Não odeio ninguém aqui (tá, dona Vivi! ♥), mas se não souberem debater como adultos…
      De qualquer forma eu vou me retirar deste artigo especificamente por motivos óbvios. Ainda assim responderei a algumas réplicas, senão seria uma tremenda falta de conseideração de minha parte.

      Ósculos diminutos, tia Werneck. ^3^

      • Vivi Werneck
        03/05/2012

        “tia” é o raio que te parta três vezes! rs u_u

    • 08/05/2012

      Vivi, você é ‘zica’. rs
      Admiro muito o seu trabalho, assim como o das outras GoW. Diferente de muitos outros veículos de com. que falam sobre games, vocês falam mesmo a verdade, expondo seus pontos de vista.

      Gostei muito da sua crítica e concordo com o que disse. Se lá fora existem opções de compra muito melhores, porque ao invés de dificultarem a importação eles não cortam impostos aqui, para que os preços fiquem mais competitivos?

      Eu acho assim, que nem todo mundo tem paciência de esperar uma importação chegar, e que se no caso, um jogo aqui no Brasil custasse um pouco mais caro do que lá fora (cerca de uns R$15,00 – 30,00) muitos iriam preferir pagar um valor um pouco maior por algo nacional e de entrega facilitada. O que não dá é pra engolir essa, de que um lançamento lá fora custa 60,00 dólares e aqui no Brasil chega às lojas por R$180,00 – 200,00. É um absurdo!

  69. Hélio
    03/05/2012

    Essa visão de querer taxar o Steam está errada ao meu ver por alguns motivos:
    1)a maioria absoluta de jogadores no Brasil usa PS3/360/Wii desbloqueado e não paga NADA por um jogo. Simplesmente baixa ou compra no camelô. Então, querer taxar os jogadores q compram um produto original para PC sem ter acesso a uma mídia física realmente não me parece sensato. Ainda mais pq, ao q me consta, Steam é uma rede internacional q nem foi implantada oficialmente no Brasil. Então, pessoas compram um produto digital vindo de fora justamente para fugir da realidade abusiva do seu país. A verdade é q,s em o Steam, muitos simplesmente comprariam seu jogo num grande site estrangeiro e pediriam q fosse mandado como gift pra evitar o imposto. Quer dizer, estão tentando taxar mais uma forma de venda de jogos, por sinal uma das únicas q pratica preços justos.
    2)Se jogos a 199 reais não pagam os impostos suficientes para “proteger” uma indústria q o governo nem mesmo apóia, então eu não sei o q mais um imposto vai acrescentar no sentido de “proteção”.
    A mídia demoniza e discrimina os games o tempo todo e não vejo medidas sendo tomadas para apresentar os videogames como algo positivo, cultural e até mesmo artístico em muitos casos para a grande massa. Sendo q campanhas contra essa discriminação seriam o mínimo exigido já q os preços de jogos originais são tão altos.
    Eu tenho aqui na minha casa o meu Uncharted 2 original, meu Yakuza, meu Condemned, etc., e me sinto realmente feito de bobo pagando um preço tão alto pra não ver retorno nenhum para os games de forma geral. Os desenvolvedores indies se matam pra conseguir se sobressair num mercado sem expressividade mundial como o brasileiro e não vejo esse apoio todo q seria justo, já q os jogos estão sendo tão cruelmente taxados nos consoles.

    • georges
      03/05/2012

      Falou tudo cara.

    • CPR
      03/05/2012

      Por isso q eu disse cara. A demagogia nesse país é tão grande, mas tão grande q as pessoas se esquecem de simplesmente enxergar a realidade. Daí ainda falam em mais taxação de steam. Ora, taxação de steam não conseguimos nem mudar um pouco nossas leis trabalhistas caducas imagine legislar sobre um negócio desses. Haja paciência.

      Mas só pra ninguém dizer q o CPR só critica eu vou dar uma sugestão: Pq q os caras não criam assim uma espécie de compensação no IR pra quem compra os tais “produtos culturais” tais como livros, cds, dvds, e é claro jogos de videogame? A pessoa comprava tipo assim um dvd e com a nota deduzia tanto por cento do valor do produto na declaração do IR. Se fosse um DVD com conteúdo nacional a dedução já seria maior. Sei q essa medida é paliativa mas creio q ajudaria a diminuir, pelo menos um pouco, a mordida do leão no bolso de quem compra produtos originais.

  70. Luvy
    03/05/2012

    Desculpa gente, mas tenho que desabafarrr, esse Siri me cansaaaaaaaaaaaaa -.-”
    É sério,ô carinha chato kkkkkkkkkk

    • Siri
      04/05/2012

      Quem mandou ler meu posts? :P

      Além do que, seu próprio post serviu de comprovação do que eu disse e tu nem notou, rs.

      • Luvy
        08/05/2012

        Pra vc ver como eu li tudinhooooo do que vc disse hein!!

  71. Georgina
    04/05/2012

    A parte mais polemica da entrevista para mim foi este trecho:
    “Só que aí eu fui nomeado pro governo . E adivinha qual a primeira coisa que eu vou fazer? Aqui, a minha primeira reunião vai ser sobre regulamentar a questão digital do mercado de jogos”, Porque? Porque ela bate de frente com os lojistas, que é um mercado que esta se iniciando agora e que aqui no Brasil não tem musculo nem força neste sentido.. “Ah, você quer vender no Brasil? Você tem que ter servidor aqui no Brasil, pra dar emprego pro teu, pro nosso pessoal aqui do Brasil, pra gerar imposto aqui no Brasil”.
    Mais será que o Steam é tão ilegal assim no Brasil: Vamos ver: “A Secretaria da Receita Federal voltou a informar aos contribuintes (empresas do setor de software não identificadas pelo fisco) que, de acordo com a legislação em vigor, “não há base legal para a incidência do Imposto de Importação, bem como da Cofins/Importação e do PIS/Importação – na aquisição de software de prateleira, se transferido ao adquirente por meio eletrônico (download).
    No entender da Receita não há uso de “suporte físico”, então o fisco não vê razão para tal cobrança de imposto e contribuições sociais. O fisco segue essa orientação baseado no “Acordo de Valoração Aduaneira” aprovado em 1995 pelo “Comitê de Valoração Aduaneira”, que regulamentou o Decreto Legislativo n.º 30, de 1994 e posteriormente seguiu o que estava previsto pela Lei n.º 10.865, de 2004 (artigo 7.º – inciso I) e o Decreto n.º 6.759, de 2009 (artigo
    Apesar disto vale ressaltar que os jogos adquiridos via Steam são taxados pelo IOF (Imposto Sobre Operações de Câmbio) valor este estipulado em 6,38% sobre o preço do produto. Outro furo do Sr Moacyr foi dizer que o Steam não tem servidor, nossa o steam tem sim servidores brasileiros e melhor ainda conta ate com um serviço de atendimento ao consumidor (SAC) em português. Em carta dirigida aos gamers essa foi a desculpa dada por ele foi que não sabia que havia servidores no Brasil do Steam.
    Para aqueles que querem entender melhor a tributação dos videogames no Brasil recomende lerem esta explicação dado pelo tributarista do valor econômico o Sr. Eduardo B M Roque http://4mail.com.br/Artigo/ViewFenacon/010173000000000.
    Acho sim que a tributação dos jogos no Brasil e extremamente abusiva e me dói cada vez que tenho que desembolsar R$ 199,00 por um jogo e como todo bom brasileiro dou meu jeitinho para procurar em outros lugares mais baratos. Não adianta ficarmos só reclamando a coisa e muito complexa devemos mudar leis que só atrasam nossa economia e isso leva tempo, imagine tentar chegar para um politico colocar na cabeça dele que jogo eletrônico não é um produto supérfluo onde toda a mídia diz ao contrario. Se vc prestar atenção nos EUA vc não vê nenhuma criança fazendo propaganda de Videogames e seus produtos (exceto quando se trata de jogos infantis) são só adultos, aqui mesmo jogos com classificação para + 18 videogame e coisa de criança. Então primeiro tem q mudar o pensamento para depois mudar as leis. Chega de mais Impostos o que o Brasil precisa e de mais consciência politica e boa vontade dos políticos de levar este Pais e os brasileiros mais a serio.

    • The Punisher
      04/05/2012

      Pois é Georgina, games de console deveriam também serem vistos como softwares por usarem linguagens de programação e até IA, assim como já são vistos como softwares os jogos de PC a um bom tempo, mas infelizmente até o momento não foi feito ou reconhecido como tal.

  72. 04/05/2012

    Parei de ler os comentarios a 2 dias atrás, quando virou rixa pessoal :(

    • Siri
      04/05/2012

      Pois é, as pessoas levam tudo por trás. #TUDUM-TSSS

      :P

  73. Siri
    04/05/2012

    Uma coisa engraçada que notei é que todos aqui (eu incluso) não faz nada realmente pra mudar algo.
    O irônico é que estão reclamando da (provável) única pessoa que faz algo, ou está tentando fazer.

    Como disse, sou cético e não apóio nem recrimino o Moacyr e a Acigames, mas fazendo as coisas desse jeito não vai mudar nada e se mudar vai ser bem pouco e de maneira bem mal feita.
    No máximo lhe dou um tapinha nas costas e digo “vai lá, cara!” e desejo-lhe boa sorte. Quem sabe eu dou um RT inócuo também (só não vou me iludir achando que isso vai mudar algo e que fiz minha parte e posso dormir sossegado, rs).

    Vejam que vocês mesmo se sentiram idiotas de ver que “apoiaram” ele e nem mesmo sabem quem ele é e suas intenções. Sejam mais espertos e vejam com quem estão andando de mãos dadas daqui pra frente, ok? :)

    O que pode ocorrer é o mesmo que aconteceu com o setor de informática, redução/isenção de impostos e queda de preços ao consumidor final. “Mas por quê FIFA 12 do PC custa BEEEEEEEM menos do que nos consoles se é o mesmo jogo produzido no mesmo lugar?”. Pois é…

    A isenção vale pra um jogo mas não vale para o mesmo jogo. Estranho? Sim, mas justamente porquê não aproveitaram pra tornar estas leis mais abrangentes. Até agora, acho, não conseguiram e nem vão conseguir em pouco tempo colocar consoles na categoria de informática, mesmo que um Xbox1 seja quase um PC ou que os arcades sejam exatamente PCs.

    Se o Moacyr ou qualquer outro conseguir um milagre a gente ainda vai ter do que reclamar quanto a impostos de nossos supérfluos (e olha que PCs nem são mais, é item quase obrigatório hoje em dia, né?). Estou pensando nisso neste exato momento…

    Não vou mais entrar neste artigo e não quero ficar de mal com ninguém, então quero deixar claro que apenas expressei minhas opiniões. Se alguém se ofendeu com algum comentário meu, sorry, mas eu nem sei que você existe, rsrs. Logo, não posso ter tido a intenção de magoar qualquer um aqui.

    Minha opinião é tão importante assim pra você? Como digo sempre, nem eu mesmo leria meus posts por causa desse tamanho imeeeeeeeeeeeenso, hueheueh (ganhei do James e da Bebs? :P). Me ignorem se assim for melhor. ^_^

    No mais, agradeço à Vivi pelo artigo (eu nem sabia disso aí e nem saberia se não fosse você) e também aos que disperdiçaram 14h de atenção pra ler meus posts gigantescos e respondê-los de alguma forma, rsrs.

    É isso.
    Abraços e ‘bora jogar, porque é fim-de-semana, cambada!

    • Juliano
      04/05/2012

      essa é a real, ficar dando de entendido de todos os assuntos não leva ninguém a nada, pois aqui todo mundo vai correr atrás do seu e o resto que se f@#$, se games subirem, uns pagarão e outros não, a real é que tudo vai acontecer e ninguém vai se coçar e mover um dedo pra mudar alguma coisa, sou incrédulo e desde um tempo atrás não acredito em nada, no momento oportuno eu vou escolher o que vale a pena dar um rim pra jogar e o que não vale, deu de pseudo-palestras em tópicos por aí

  74. Edison O. Vitor
    07/05/2012

    eu acho q o interessante seria incentivar o mercado nacional, taxar as compras digitais so vai ajudar em uma coisa

    aumentar ainda mais a pirataria

    afinal no brasil c vc nao pode comprar original entao baixa de graça, c nao da pra baixar de graça entao compra no camelo por 10 reais
    em fim taxar os jogos digitais nao melhora em nada o mercado nacional

  75. 08/05/2012

    Mamilos polêmicos a solta!

    Pois bem, também achei que esse projeto jogo justo seria uma boa. E se os idealizadores quisessem, teria mesmo rendido bons resultados.

    O problema é que a população não se mobiliza. Sem isso, não conquistaremos NADA!
    Queria só ver se boa parte dos gamers fizessem uma greve, se a situação não mudaria em um instante!

    O problema é que apesar da revolta, grande parte só se manifesta nas redes sociais. Agora eu pergunto, do que isso adianta?

    Somos nós, cidadãos que pagamos impostos e que trabalhamos os grandes geradores de capital, não só no nosso país, como no mundo todo! O capitalismo funciona dessa forma.
    Se não houver trabalho nosso (ou seja, greves.), não haverá lucro para empresas, nem para estados, nem para o país.

    O povo lá de Brasília deveria nos representar, lutar pelos nossos direitos, e não dificultar a nossa vida.
    O Brasil não mudará enquanto classes B, C e D estiverem conformadas com aquilo que nos é imposto.

    Pagar impostos tudo bem, desde que sejam para o bem de nossa sociedade. Mas até onde eu saiba, escolas, hospitais e parques públicos sequer são bons. Nem o asfalto da maior cidade do país é bom! Só vejo remendos… E ainda pagamos licenciamento de carro todo ano, que beleza em? Eles é quem deveriam nos pagar para andar nessas ruas esburacadas.

    Agora falando sobre jogos, bem, politico é safado mesmo. Aumentar o salário deles eles sabem, diminuir impostos para a felicidade do povão é que é uma tristeza mesmo.

  76. 08/05/2012

    O debate entre Guto, Siri e Vivi ficou bem interessante, mas meu Deus, antes eu tivesse visitado esta pág antes para pode acompanhar e participar do mesmo. rs

    Fica para uma próxima, mas de qualquer forma, está aí o que penso. (Ou parte disso.)

    • Siri
      25/05/2012

      Pois pode voltar aqui e debater conosco. O assunto não morre junto do interesse das pessoas. ;)

      Aliás, capaz de ficar melhor agora.

  77. BoicoteAciGames
    10/05/2012

    Pessoal…acessem, temos novidades e precisamos da sua participação!!
    http://boicoteacigames.blogspot.com.br/2012/05/boicote-dando-resultados.html

  78. Guto Collares
    23/05/2012

    Uma coisa que eu acho interessante. O assunto aqui está praticamente morto, eu sei, mas isso não significa que eu não deva ressaltar aspectos importantes, a meu ver.

    Muita gente aqui reclama que o governo brasileiro não incentiva/financia games; Pois eu digo: GRAÇAS A DEUS.

    Porque? Vejam o que está acontecendo HOJE com o 38 Studios (Kingdoms of Amalur: Reckoning). O estúdio está na iminência de quebrar por não conseguir pagar um empréstimo da bagatela de 75 milhões de dólares que conseguiu do estado de Rhode Island.

    O empréstimo foi conseguido pela empresa para financiar um MMO a ser lançado em 2013 ambientado no mundo de Reckoning. Obviamente o dinheiro angariado com as vendas do KOA:Reckoning seria só pra pagar os juros da dívida e as parcelas da amortização. Não sei por que (já que o jogo vendeu bem) o estúdio atrasou o primeiro pagamento e não está pagando os funcionários. TODO MUNDO está falando em intervenção na empresa, falência, intervenção judicial, etc.

    O impacto será sentido na indústria como um todo – falta de confiança, né? – caso o estúdio realmente vá à bancarrota. E o pior, o Estado de Rhode Island VAI TER QUE PAGAR A CONTA COM O DINHEIRO DE CONTRIBUINTES, CLARO.

    Já imaginou se isso é aqui no Brasil? Já imaginou ter que dizer pro seu tio velhinho, evangélico, que nem sabe mexer num celular, que ele vai pagar a conta de um game que não deu certo?

    “Meu fi, o que é isso? ‘Reino de Amalur’… É na África? E eu tenho que pagar por isso?!?”
    “Não tio, é um jogo”
    “Que merda, fi… Eu preferia que fosse uma ditadura na África”

    • Siri
      25/05/2012

      Mas isso não é problema da indústria de games. Qualquer empresa grande vai estar de mãos dadas com qualquer governo em qualquer lugar do mundo.

      Aqui um dos casos mais escancarados é do das montadoras de automóveis. No mundo todo é só ver os bancos.
      Até países inteiros podem brincar com dinheiro e alguém vai lá tapar o buraco das dívidas.

      Tudo pago com dinheiro da massa.

      • Guto Collares
        28/05/2012

        Acho que você está comparando coisas incomparáveis.
        Bancos e setor metalúrgico com indústria de games? Está extrapolando.

        E olha, eu citei o caso específico do 38 Studios porque ele é uma empresa PEQUENA, NOVA e SEM QUALQUER INDÍCIO DE LIQUIDEZ. Como você diz que “Qualquer empresa grande vai estar de mãos dadas com o governo…”? REALMENTE não tem como dizer que se trata de uma Empresa Grande. Se fosse a Activision ou a Ubisoft… Eu não diria nada. Mas 38 Studios, não dá;

        Além disso, a prática das “mãos dadas” só ocorre com setores fundamentais da produção, indústria de base e demais seções da economia que tenham reflexo no risco-país. Ninguém está ajudando a Kodak – que vai quebrar, tudo indica – e a Apple que estava na iminência da falir em 1997 recuperou-se sem um ÚNICO tostão estatal.

        Foi uma decisão inexplicavelmente errada do Governo de Rhode Island. Uma aposta arriscada num setor onde o poder público não conhece, não tem consultores técnicos – diferente dos setores automobilístico ou bancário – e lhe restava aplicar o Laissez-faire e pronto.

        Tentar racionalizar isso ou visualizar isso como uma prática normal é comicamente estranho.

  79. Siri
    25/05/2012

    Sabia que a Bebs teria um ponto de vista semelhante ao meu. ^_^
    Quanto a eu ser inútil, era sobre eu não ser como o Moacyr e ir lá fazer algo de fato. Falar com Governos, indústria e comércio.

    Queria tirar umas dúvidas:

    1- O IOF é cobrado meramente sobre o câmbio neste caso específico? Se for, então é uma conta burra, pois vocês estão reclamando de ter um gasto diminuido, de quase 7% para 5%.

    2- Todo mundo veio aqui revoltadinho, mas ESSE “IMPOSTO DO MOACYR” SEQUER É COBRADO. A alta do Dólar foi muito maior do que a incidência desssa alíquota e ninguém reclamou, estou errado?

    3- Se ocorresse o que ele propõe, a alta do Dólar não afetaria os preços dos jogos aqui (como não afetou de imediato), então você não estaria pagando mais caro hoje e mais caro amanhã. E mais caro depois de amanhã, devido à flutuação cambial.

    4- Os jogos custando mais caro em Dólar é culpa das políticas do COMPOM, BC e do tio Guido Mantega? Não foi o Governo que quis ter um Dólar mais alto pra equilibrar a balança comercial? Em caso afirmativo, por que ninguém xingou muito o Mantega no Tuínter?

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.