[GOWTY] Uma carta de amor intitulada “Pacific Rim”

Tags: charlie day, charlie hunnam, evangelion, godzilla, guillermo del toro, idris elba, jaegers, kaiju, mechas, pacific rim, Referências, rinko kikuchi, ron perlman

Cá estou continuando o GOWTY (GoW + GOTY), nossa série especial que abordará os melhores do ano, onde cada uma das girls irá eleger suas obras favoritas! Que fique claro, que aqui, é a minha humilde opinião, e não a da equipe como um todo. E atenção: o texto a seguir contém spoilers!

Imensos robôs combatendo monstros gigantescos parecem algo até então restrito ao universo japonês. Quem viveu a era da Rede Manchete entende bem o ponto onde quero chegar. Pacific Rim é claramente uma carta de amor, não apenas a esse universo japonês, mas a toda uma cultura que se disseminou ao longo dos anos em animes, mangas, jogos e quadrinhos.

A premissa é extremamente simples, o visual é repleto de efeitos especiais de ponta e os personagens formam e preenchem todo o ciclo de estereótipos possíveis. E nada disso é ruim como aparenta. O filme é fantástico! Há tempos eu não saía tão empolgada de uma sessão de cinema. Minha vontade era de abraçar o Guillermo Del Toro, que é mais nerd/geek/fofo do que eu e você juntos, e enfim agradecê-lo por uma obra tão bem executada em sua essência.

A fórmula usada no filme envolve uma série de referências que a boa parte do público deve ter percebido, e em contrapartida, a outra metade deve ter deixado passar batido… E não é para menos, já que o filme é daqueles que mantém o telespectador com os olhos grudados na tela do começo ao fim. Então, vamos lá:

Go Big Or Go Extinct!

GAMES

– Começando por Portal. GLaDOS, ou melhor, Ellen McLain novamente com uma voz robotizada, fez uma ponta no longa-metragem, como… Adivinhem só? A voz da inteligência artificial que monitora os Jaegers. A diferença é que no filme ela não faz mind games com os pilotos. Del Toro precisou da autorização da Valve para inserir a piada interna, e ele até comentou em uma entrevista que queria muito ter a voz dela no filme, já que é um grande fã de Portal. Há quem diga ainda que a ponte por onde os Kaijus atravessam e vem para este lado do universo, possui anéis de cor laranja e azul, uma clara referência aos portais do game.

– A roupa dos pilotos dos Jaegers lembra bastante as armaduras de Mass Effect e Dead Space.

– Um dos materiais suplementares dos Jaegers é chamado de “Eden Assassin”. Será que Ezzio, Altair e cia. visitaram a época em que os Jaegers foram criados?

– As marcas bioluminescentes dos Kaijus lembram vagamente os olhos e símbolos dos colossos de Shadow of the Colossus.

– Daqui pra baixo são mais curiosidades propriamente ditas do que referências, mas como deixar de lado comentários de gente grande da indústria, tais como Hideo Kojima e Fumito Ueda, elogiando o filme e comentando que jamais imaginariam assistir algo como Pacific Rim… Ou ainda o comentário do pai do design de mechas, Go Nagai, que disse ter se divertido e adorado a ação intensa no filme? Não dá. ♥

– O artista japonês Katsuya Terada, que dentre diversos trabalhos lindos, é o responsável pelas primeiras ilustrações de Legend of Zelda até o final dos anos 90, e fez um pôster MASSAVÉIO para o filme.

– Por fim, Yoji Shinkawa, o ilustrador japonês e artista conceitual por trás de Metal Gear Solid e Zone of the Enders, também fez um pôster IRADO para promover o filme.

ANIMES/MANGAS

– A influência que Del Toro teve do gênero “mecha” é muito clara e o próprio admite isso sem pesar algum, já que ele se declara muito fã de séries como Gundam e Gigantor (ou Tetsujin 28-Go). Através da internet afora, existem inúmeras comparações com Evangelion, uma das séries do gênero mecha mais famosa do mundo… E o mais engraçado de tudo, é que Del Toro jura de pés juntos que nunca assistiu ou leu EVA. Entretanto, o co-roteirista Travis Beaham, admitiu ser um grande fã da série e ter colocados algumas referências no filme. Eis as que encontramos, especificamente com Evangelion: 1) a ponte-neural que precisa ser feita entra robôs e pilotos (só que no filme é preciso dois pilotos); 2) a espada que Gypsy Danger usa é similar à faca de combate dos EVAs; 3) antes de ser estabelecida a ponte-neural entre os dois pilotos, o capacete é preenchido com um líquido laranja/amarelo, uma clara referência ao LCL dos EVAs; 4) quando a Mako faz sua primeira ponte-neural com Raleigh ela entra em berserk, da mesma forma que Rei quando a mesma pilota seu EVA original 00 Unit; 5) coincidência ou não, a dubladora da Mako na versão japonesa do filme é a mesma da Rei Ayanami no anime.

– Poucos notaram, mas eu associei mais referências à Eureka Seven do que Evangelion. Como por exemplo, a questão de ser preciso duas pessoas para pilotar o Jaeger com precisão, tal como Renton e Eureka no anime (só que sem a ponte-neural com o robô), e também o fato de existir no universo do filme um veloz Jaeger de nome Striker Eureka, em uma clara alusão ao LFO Nirvash. E eu nem mencionei as tretas políticas…

– Em Mazinger Z, uma das habilidades primárias do robô é o soco-foguete, assim como Gypsy Danger também faz durante o filme.

– Em Mobile Fighter G Gundam, cada nação também possui seu próprio individual robô gigante para combater as forças do mal. Inclusive, o Del Toro já admitiu em um programa de TV no Japão que ambos os Coyote Tango e Cherno Alpha são inspirados, respectivamente, nos modelos Guncannon e Zaku de Mobile Suit Gundam, especialmente o primeiro.

FILMES DIVERSOS E FILMES DE KAIJU

– Obviamente, não poderíamos deixar de comentar de filmes com temática de monstros gigantes japoneses atacando a civilização. A lista de obras desse gênero (que é chamado “Kaiju” inclusive) é enorme… Temos The Beast from 20,000 Fathoms de 1953, onde um monstro surge do oceano para atacar a população, temos Gojira de 1954, um monstro gigante radioativo; temos It Came from Beneath the Sea de 1955, o primeiro ataque Kaiju em San Francisco… E também referências específicas, como o Kaiju chamado “Knifehead”, cuja aparência lembra muito a do monstro “Guiron” do filme Gamera vs. Guiron de 1969; a revelação de que os Kaijus possuem um segundo cérebro, tal como o Godzilla do filme Gojira vs. Mekagojira de 1993; e o momento em que o cientista Newt e descobre no filme que um dos Kaijus mortos é na verdade uma fêmea e que ela está grávida, assim como em Godzilla de 1998 (sdds Jean Reno <3).

– Deste detalhe poucos sabem, mas várias cenas foram produzidas a partir da filmagem de estatuetas modeladas, o quê lembra as técnicas de maquetes que usavam nos antigos filmes de Kaiju.

– Mas Pacific Rim não sobrevive apenas de referências à filmes de monstros gigantes. Outros filmes também foram homenageados, e Aliens de 1986 foi um deles. Lembram da garotinha Newt? Pois então. O personagem de Charlie Day no filme se chama Dr. Newton Geiszler. E uma das primeiras falas dele é: “Newt. Nobody calls me Newton except my mother”. Será que o James Cameron curtiu?

– Em Blade Runner de 1982, tínhamos o cientista chamado Hannibal Chew. E aqui Ron Perlman interpreta um negociante do “Mercado Negro de Kaijus”, cujo apelido é Hannibal Chau…

– E para encerrar, como sou Star Wars Whore, não poderia deixar de citar Yancy Becket falando a seguinte frase para seu irmão Raleigh logo no começo do filme: “Hey kid! Don’t get cocky”, tal como Han Solo e Luke Skywalker no Episódio IV.

OUTRAS MIDIAS

– Para quem não sabe o Del Toro já foi cogitado para dirigir filmes baseados nas obras de H.P. Lovecraft. E considerando que um temas regularmente abordados nas obras dele é o horror cósmico que atravessa dimensões e espaços para causar estragos na população humana, os Kaijus poderiam facilmente se passar pelos Elder Gods de Lovecraft, os Cthulhu.

– O programa de lançamento dos Jaegers foi inspirado na série de TV Thunderbirds, de 1965.

– E para fechar, esta é mais um curiosidade do que qualquer outra coisa, mas quem aí se ligou de que o compositor da trilha sonora do filme, Ramin Djawadi, também compôs as trilhas de Iron Man, Prison Break, Medal of Honor e Game of Thrones? Não é a toa que o tema principal do filme é tão épico (ainda mais com a participação de Tom Morello nas guitarras… ♥).

E chega né? Tá bom por hoje.

O veredicto: é um filme que você DEVE assistir. Se você não gostar, pelo menos alguma coisa vai agradar a sua criança interior. O filme é um amontoado de clichês baratos e a história é facilmente entendida nos cinco primeiros minutos de exibição. A partir daí, temos uma suruba de referências a tudo que amávamos em tempos áureos de Rede Manchete e um pouco mais, batalhas épicas de tirar o fôlego e o desenvolvimento dos personagens principais em cena. Não é um filme perfeito, mas é definitivamente o melhor que eu assisti (e re-assisti e assisti de novo, e re-assistirei mais vezes…), neste ano 2013.

Heads-up: Pacific Rim é um filme americano, dirigido por Guillermo Del Toro, distribuído pela Legendary Pictures e Warner Bros. Pictures, com 131 minutos e classificação indicativa de 12 anos. No elenco estão: Idris Elba (Thor), Charlie Hunnam (Sons of Anarchy), Rinko Kikuchi (Liar Game), Charlie Day (It’s Always Sunny In Philadelphia) e Ron Perlman (Hellboy). Estreou nos cinemas estrangeiros a partir de 02 de Julho enquanto que no Brasil o filme estreou em 09 de Agosto.

 

Today, at the edge of our hope, at the end of our time, we have chosen not only to believe in ourselves, but in each other. Today there’s not a man or woman in here who shall stand alone. Today, we face the monsters that are at our door and bring the fight to them!

Today, we are cancellin’ the apocalypse!

Jessica Pinheiro
Share on Tumblr
Feed do Post
17 Comentários em "[GOWTY] Uma carta de amor intitulada “Pacific Rim”"
  1. georges
    17/11/2013

    Com certeza é um dos melhores do ano!
    Não esperem um roteiro genial e nem personagens profundos. O filme é apenas entretenimento, mas é um entretenimento de qualidade que vai compensar todo o dinheiro gasto. O que eu mais gostei desse filme foi a quantidade de momentos que você diz “Uooohlllll” e toda a noção de escala. O Filme realmente te passa a sensação de que aqueles robôs são enormes!
    Muito melhor que um transformes da vida, disso ninguém pode discordar.

    • Jessica Pinheiro
      17/11/2013

      Right?! Onde eu assino? XD

  2. claudio
    17/11/2013

    execelente sua materia as descriçoes eos paralelos entre as obras

    • Jessica Pinheiro
      17/11/2013

      Thanks! :)

  3. 17/11/2013

    Engraçado vc postar isso hoje, pq eu finalmente assisti a Pacific Rim ontem e, olha, vou te falar que…o filme é bem mais ou menos.

    O tempo todo eu não estava querendo assistir Pacific Rim eu queri JOGAR Pacific Rim (e até tem um jogo baseado no filme mesmo, mas é horrível)

    As lutas entre Jeagers e Kaijus são realmente a única coisa que realmente gostei, mas todo o resto em volta é tão ruim que me incomodou bastante.
    História mal contada, personagens clichês (cara, o que é aquela dupla de “cientistas”?, me contorcia toda vez com aqueles atuações exageradas)
    Pra mim pareceu mais que o Del Toro queria só mostrar as lutas de robôs gigantes, mas teve que preencher espaços entre uma luta e outra pra (tentar) justificar aquilo.

    Sério, pensei que ia adorar o filme, mas no fim, infelizmente, só achei legalzinho.

    • Jessica Pinheiro
      17/11/2013

      Em vários aspectos ele falha mesmo (e não tem história, o pouco que tem é contada ali nos 5 primeiros minutos de filme e o resto é o que vc falou msm: batalhas épicas xD), como eu citei no post, mas num geral eu achei muito bom.
      Talvez minha experiência tenha engrandecido o filme porque eu assisti no cinema, e cara… É uma experiência totalmente diferente. rs

  4. The Punisher
    17/11/2013

    A título de curiosidade…você está com quantos anos Jejé?

    • Jessica Pinheiro
      17/11/2013

      23 anos. :)
      Por que?

      • The Punisher
        17/11/2013

        Nada em especial, só para saber quantos anos +ou- você tinha na época da Manchete seus tokusatsus e animes.

  5. The Punisher
    19/11/2013

    Infelizmente pra pra mim, quando assisti no cinema tive que me contentar com a versão dublada. O Brasil e essa nova e péssima onda da maioria ou praticamente todos os filmes quando lançados aqui serem dublados.

  6. 19/11/2013

    Ótima análise, Jejé!! :D

    Além de ter deixado bem claras as referências que você percebeu entre as outras obras e o filme, o melhor foi você dizer exatamente o que eu vim com o intuito de saber: se o filme foi feito com o objetivo de ser levado “a sério” (no sentido de “olhe pra história com um pouco mais de pé no chão”) ou se é simplesmente o que eu esperava dele, ser entretenimento de qualidade (termo perfeito, georges! \o/).

    Fiquei meio “assim” de assistir no cinema porque não sabia o que esperar. Infelizmente não conheço/curto tanto os Tokusatsus que influenciaram a obra e tenho carga de conhecimento quase nula no gênero mech xD

    Agora que sei que o filme diverte, exatamente o que eu espero dele, vou ver se consigo alugar \o/
    Alguém sabe se o 3D do filme (em versão BD) vale a pena? A locação é meio cara aqui na cidade, então se valer, ao menos já pego direto a versão 3D pra compensar as Dilmas voando do meu bolso xD~

    P.S.: e mais uma vez o Brasil consegue detonar o nome original de um filme. Por mais que faça sentido (sei lá se faz), Pacific Rim virar Círculo de Fogo, sério mesmo? Ao menos tem Ring of Fire do Johnny Cash na trilha? :P

    • Jessica Pinheiro
      20/11/2013

      Então, uma das experiências que maximizam a diversão do filme foi justamente ver no cinema, com direito a tudo: 3D e IMAX. Eu o assisti assim que saiu em disco rígido (blu-ray) e a empolgação não foi a mesma, mas o meu gosto pelo filme só aumentou. :3
      E não, não tem Johnny Cash na trilha, infelizmente. :P Mas sinceramente, eu acho Círculo de Fogo um nome potente, só que com grandes dois problemas: 1) já existe um filme com o mesmo nome (Círculo de Fogo) e 2) o título não tem muito a ver com a proposta do filme em si, é apenas uma alegação ao gerador/core da Gypsy Danger. :\
      E sobre os preços, já faz um tempo que baixaram aqui no Brasil, isso num geral. Ainda bem né? :D

      • 20/11/2013

        Pô, IMAX é sacanagem já, por aqui eu mal consigo assistir com 3D decente… XD

        Como eu não cheguei a assistir no cinema acho que vou arriscar o 3D, assim não vou me decepcionar. Com Fúria de Titãs 2, pelo menos comigo, foi ao contrário: no cinema eu achei o 3D bem fraco, mas quando vi em BD, achei fantárdigo (tanto que comprei o BD). Ainda acho que o título com o melhor uso de 3D (doméstico, claro) foi A Origem dos Guardiões, dá gosto de assistir *o*

        O nome do filme me confundiu mesmo, assim que fui buscar brotou um com o Marshall Jude Law, mas não era (e tava barato demais xD). Bom, realmente é um nome forte, mas a tradução sempre fica esquisita, já tô tão acostumado com isso :P

        Alugá-lo-ei então, pra folga do fim de semana ☺

        • Jessica Pinheiro
          20/11/2013

          Depois me fala o que achou! Have fun! :DDD

  7. 19/11/2013

    Adendo: em terra brasilis, o BD do filme custa 70 Dilmas. A versão em 3D (+ cópia digital) custa 90 Dilmas, até que a diferença não é tão gritante D:

  8. The Punisher
    20/11/2013

    James, o nome Círculo de Fogo vem das áreas ou região onde se concentram as aocorrências de terremotos e atividades vulcânicas e, é justamente nessa região que forma um círculo de onde surgem os Kaijus.

    • 25/11/2013

      Valeu, Punisher! :D
      Fui procurar na Wikipedia e realmente apareceu isso do Pacific Rim (nem fazia ideia de que existia uma região geográfica com esse nome, por isso viajei, inclusive na tradução xD).
      Acabou que nem consegui alugar esse fds pra assistir na minha folga, mas vejo se amanhã consigo (locação de BD 3D por aqui é 24 horas mesmo, infelizmente ¬¬’).

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.