Os 25 anos de Street Fighter

Tags: 25 anos de street fighter, blanka, Capcom, Ken, Ryu, street fighter i, street fighter ii

Recado da Vivi Werneck: gente, gostaria de apresentar para vocês a Aline, nossa nova colaboradora! Vocês podem conferir mais sobre ela no The Girls. Ah, e para já começar com o pé direito, Aline mandou muito bem num post sobre os 25 anos da série Street Fighter!

Welcome to madness Aline! Muahahahaha!!!
……………………………………………………………………..

 

De Street Fighter I a Street Fighter IV passando por uns 982379237 jogos da série Alpha, um tal de Street Fighter Zero, Street Chaves, filmes horríveis e jogos baseados neles(!) e se esticando até um crossover com a série Tekken. É, lá se foram 25 anos de pancadaria e você ainda acha que o nome do ataque é “trek trek truguen”  (Para quem não quer perder tempo role a página até o fim e confira um super infográfico de Street Fighter que saiu no G1)

História

Foi naquele fatídico dia  30 de agosto lá na distante década de 80, nos intervalos da aparição do Godzilla na terrinha do sol nascente que os japoneses resolveram que já era hora de suprir sua necessidade de violência gráfica tecnológica. Era o começo da Era do Flipers…

 

Ah que cheiro de nostalgia! A incomparável sensação de pedir trocado para os pais para comprar fichas e…

 

Enfim, voltando. 

 

Às portas da gloriosa década de 90, os desenvolvedores nos presentearam com o primeiro Street Fighter que só tinha dois selecionáveis (advinha quem eram?) e só dois botões que funcionavam a base de pressão. Uma apertadinha de leve dava o golpe mais fraco e uma senhora apertada dava o golpe mais forte. Convenhamos que não era uma ideia muito boa já que todo mundo apertava golpe forte. Quem não era assim que atire o primeiro hadouken.

 

Mas nem adianta ficar no blablabla porque o que você conhece mesmo é o Street Fighter II (admita! ).

Em Street Fighter II você teve a chance de se afeiçoar aos oito heróis Ryu, Ken, BlankaZangiefDhalsimGuileE. Honda, e Chun-Li e gritar de ódio pelos vilões Mike BisonBalrog, e Vega principalmente pelo fato de que nunca se sabia quem era quem, já que os nomes estavam “trocados”. Na minha época muita gente até falava : “malditos japas só mandaram esse jogo pra cá porque tava com defeito!”

Mas veja só… Nesse mesmo Street Fighter II que você enchia suas mãos de calos havia também espaço para reflexão. Afinal qual era o nome correto dos personagens mesmo? Quem era quem nessa budega? Até eu fiquei confusa agora… Vamos buscar conhecimento nas internets?

 

Quando foi criado no Japão, o Vega não era Vega mas sim Balrog e o Balrog era M. Bison e não Balrog, já que Balrog era o nome do Vega. Já o nome M. Bison não era do M Bison, mas sim Vega. Vega, então, era o M. Bison, e não o Vega, já que o Vega – que não era Bison – era Balrog, que por sua vez virou Bison, já que seu nome foi para o Vega, e o Vega cedeu seu nome para o M Bison, sempre levando-se em conta que o nome M. Bison anteriormente era do Balrog, e não do Vega – que se chamava Balrog antes de dar o nome para M. Bison. (Fonte: Desciclopedia)

 

Explicado? Então vamos adiante.

 

“25 anos de história e só foi até o Street Fighter IV? Que bosta! Resident Evil tem bem menos tempo e já está no sexto jogo e…”

 

Se você é noob, você pensa assim. E se você pensa assim é hora de dar uma clareada na sua vida de fake gamer.

 

 GUIA RÁPIDO DOS JOGOS DE SF

 

  • Street Fighter

 

Quase ninguém sabe da existência do primeiro Street Fighter. E a julgar pelas confusões de nomes e bugs do nosso querido SF II a quem diga que o primeiro Street nunca existiu sendo o ‘II’ depois do nome do titulo apenas um detalhe sem importância, um erro qualquer, coisa de japonês.

 

  • Street Fighter II (1991)

 

 

A alegria nostálgica de qualquer gamer que cresceu nos fliperamas. Foi o jogo responsável pela mudança nos controles da série. De dois botões funcionando a base de pressão passou-se para 6 botões. A versão também é lembrada por sua trilha sonora memorável. No ano seguinte foi lançado o Street Fighter II’: Champion Edition para Sega Mega Drive, e Sega Master System que tornava os 4 chefes, bloqueados na versão anterior, personagens jogáveis.

  • Street Fighter II’ Champion Edition: versões Mx/RainboW e Acelerator (1992/1993)

 

Pouca gente ouviu falar das versões “adulteradas” de SF. Eram exclusivas para árcades e cheias de detalhes incomuns do tipo poder mudar os personagens no meio do jogo, dar múltiplas magias ou golpes no ar e pular as telas. A maioria desses árcades premiados estava na Ásia, mas existia no Brasil. (só não sei onde lol).

E tem mais:

  • Street Fighter II’ Turbo: Hyper Fighting (1992), versão para o SNES, posteriormente lançada para o Xbox Live Arcade do Xbox 360.
  • Super Street Fighter II: The New Challengers (1993): era hora de conhecer os carismáticos personagens CammyFei LongT. Hawk e Dee Jay. Como os consoles estavam em alta, essa versão foi parar no Amiga, DOS3DODreamcastGBAPlayStationSega Saturn, Mega Drive e SNES.
  • Super Street Fighter II Turbo (1994): Não é só a presença do nosso querido Akuma, mas também a possibilidade de escolher a velocidade do jogo.
  • Hyper Street Fighter II: The Anniversary Edition (2003): uma edição especial comemorativa de 15 anos de Street Fighter para X-Box e PS2. Não é só mais “collection” da vida. São sim as cinco versões oficiais do SFII (The World Warrior, Champion Edition, Turbo/Hyper Fighting, Super e Super Turbo), mas misturadas. Isso mesmo, você pode fazer um combate entre qualquer personagem de qualquer versão de SF. E a mistureba aparentemente deu certo. Há quem diga que esse é o melhor SF lançado até hoje.
  • Super Street Fighter II Turbo HD Remix (2008): entrando na nova era de consoles, esse remake da Capcom foi lançado para Playstation 3 e Xbox 360. Traz os 16 personagens originais de Super Street Fighter II Turbo e o secreto Gouki.

 

 

Street Fighter III

 

 

A terceira fase da franquia não foi nem de longe tao popular quanto a segunda e deve isso a ascensão dos jogos de luta em 3D, principalmente Tekken, e a ausência de muitos personagens icônicos dos games anteriores. Foram lançadas três versões: Street Fighter III: New Generation (1997); Street Fighter III: 2nd Impact – Giant Attack (1998); Street Fighter III: 3rd Strike – Fight for the Future (1999).

 

Street Fighter Alpha

A subsérie Alpha era mais do mesmo lançada para todas as plataformas possiveis:

 

Street Fighter Alpha (1995), convertido para Game Boy Color, PlayStation, Sega Saturn e Windows.

Street Fighter Alpha 2 (1996), convertido para PlayStation, Sega Saturn, SNES e Windows.

Street Fighter Zero 2 Alpha (1996), convertido para PlayStation e Sega Saturn (na versão caseira – Street Fighter Alpha 2 Gold – , a personagem Cammy foi incluída no modo “Versus”).

Street Fighter Alpha 3 (1998), versão de Arcade. Nas versões caseiras, atualização incluindo novos personagens (Guile, Dee Jay, T. Hawk, Fei Long, Evil Ryu e Shin Akuma) lançado para PlaystationSega Saturn e Sega Dreamcast.

Street Fighter Alpha 3 Upper (1999), versão de GBA incluindo mais 3 novos personagens (Maki, Yun e Eagle).

Street Fighter Alpha 3 Max (2006), versão lançada para PSP que contou com mais uma atualização incluindo Ingrid nos personagens.

Street Fighter Alpha Anthology (2006), compilação para o PlayStation 2.

 

Street Fighter IV

 

O tão esperado Street Fighter IV apareceu na Capcom Gamers, em Londres. Gráficos 3D e gameplay 2D. E claro, a Capcom aprendeu a lição e depois da ‘surra’ em SF III e incluiu todos os personagens da primeira versão Street Fighter II, até os chefes. Personagens novos tem vez também com AbelCrimson ViperEl FuerteGouken e Rufus, além de Dan Hibiki e Fei Long. Para não perder o costume lancou duas versões posteriores com mais personagens com nomes super originais do tipo Super Street Fighter IV (2010, Xbox 360 e Playstation 3) e Super Street Fighter IV – Arcade Edition (2010).

Outros jogos poucos conhecidos são o Street Fighter II Movie inspirado no filme vergonhoso da série onde o jogador controla Cyborg, e o Street Fighter 2010, um spin-off lançado pela Capcom para Nintendinho em 1990 que não tem nada a ver com nada.

 

E para encerrar…

Os encrenqueiros da pátria amada

Falar de Street Fighter é na verdade muito fácil, pois tudo gira em torno de uma pergunta? POR QUE RAIOS O BLANKA É BRASILEIRO?

Da onde eles tiraram a majestosa inspiração para construir um personagem brasileiro que é tipo o mestre Yoda com esteróides?

Claro que tem a ver com a Amazônia… sempre tem. A lenda verde começa com a queda do avião onde estava acompanhado de sua mãe. Blanka sobreviveu à queda e cresceu entre os animais, criando um estilo de luta selvagem autodidata e desenvolvendo a habilidade de emitir choques elétricos.

Mas se você quiser contar para os seus amigos e não lembrar bem dessa historia (ou até preferir esquece-la por não fazer nenhum sentido) você pode dizer o que sempre disse : Blanka é verde porque é brasileiro! E sair distribuindo pancada com o nosso simpático Hulk tupiniquim.

Outro cara nem tão maneiro é o tal do Sean, mas ele é tão chato que não vale a pena escrever sobre.

 

E depois de tudo isso, se você ainda pensa que Resident Evil é a série mais pop da Capcom apenas posso dizer que me envergonho. Apenas isso. 

 

Para quem não quer perder tempo a gente encontrou um gráfico super bem bolado dos 25 anos de SF: 

 

Aline Carvalhal
Share on Tumblr
Feed do Post
49 Comentários em "Os 25 anos de Street Fighter"
  1. 07/09/2012

    Pra mim o Street mais icônico é o do 3DO, tanto que tô caçando um por aí pra jogá-lo novamente. Mas a série toda é animal por promover técnica e diversão na dose certa, seja lá qual o algarismo romano ou o vs que o game carrega.

    E feliz por ver o site cada vez melhor e luz pra nova garota da guerra aí!!!

    • Vivi Werneck
      07/09/2012

      Conseguimos recrutar mais uma doida, er… digo, corajosa menina para nossa empreitada! he…hehehe… ^^

  2. Galf
    07/09/2012

    Nada contra o Resident Evil, Mas quem diz que o RE é a séria mais pop merece um belo de um “chute no traseiro”.

    • 07/09/2012

      Concordo, mas infelizmente Resident Evil é a série que mais vendeu… Vão os números da Capcom:

      Franquias:
      Resident Evil: 40 million (56 titles)
      Mega Man: 28 million (124)
      Street Fighter: 27 million (62)
      Devil May Cry: 10 million (11)
      Monster Hunter (8.5 million)
      Onimusha: 7.8 million (12)
      Dino Crisis: 4.4 million (13)
      Ghosts ‘n’ Goblins: 4.4 million (16)
      Ace Attorney: 3.2 million (12)
      Final Fight: 3.2 million (10)
      Breath of Fire: 3 million (15)
      Lost Planet: 2.7 million (2)
      1942: 1.2 million (3)
      Commando: 1.2 million (2)
      Sengoku Basara: 1.2 million (10)

      Jogos individuais:

      Street Fighter II (SNES – 6.3 million)
      Resident Evil 2 (PlayStation – 4.96 million)
      Resident Evil 5 (PS3/360 – 4.4 million)
      Street Fighter II Turbo (SNES – 4.1 million)
      Resident Evil 3: Nemesis (PlayStation – 3.5 million)
      Resident Evil (PlayStation – 2.75 million)
      Monster Hunter Freedom 2G (PSP – 2.55 million)
      Street Fighter IV (PS3/360 – 2.5 million)
      Devil May Cry 4 (PS3/360 – 2.4 million)
      Dino Crisis (PlayStation – 2.4 million)

      Créditos para o Ilapso! ;)

      • 07/09/2012

        Sad, sad… =( gosto tanto essa série
        “Breath of Fire: 3 million (15)”

        =( Queria continuação, bem, viva ST4AE, se quiserem jogar my live id => dreampeppers99

      • georges
        07/09/2012

        Como o Ilapso já disse em um podcast, Resident Evil é a série que mais vendeu, mas não é a de maior sucesso.

  3. EltonBM
    07/09/2012

    Só não gostei do cometário sobre o Sean, ele era um dos melhores personagens de SF III, e eu realmente queria vê-lo, nem que fosse no SFxTK. Acredito que a única coisa que acabou faltando nesse post foram os pulos que a franquia teve, afinal, tivemos X-Men vs. SF e Marvel vs. SF. De qualquer modo, esse resumão da série ficou jóia, e, bem vinda.

    • Siri
      10/09/2012

      Sean só era legal no bônus de parry. :P
      Um dos personagens mais infames ao lado de Dan Hibiki e Capitão Sawada (hahaha, certeza que ninguém lembra desse).

      • João Marcos
        15/09/2012

        Epa, peraí! Lembro sim do capitão Sawada!
        Street Fighter: The Movie, para PS1.. joguei MUITO! :D
        Mas com certeza, não tanto quanto o SF2 para SNES… era literalmente viciado.. os golpes encaixavam todos suavemente, nem precisava pensar.. simplesmente saiam!

        Aiaiai.. bons tempos onde só se tem que estudar! O:)

        • Siri
          16/09/2012

          Então encontrei mais um que ficou traumatizado com aquela aberração, rsrs. Isso porque na versão console acho que não tinha os soldados da Shadaloo.

          Bons tempos mesmo!

  4. Aline Carvalhal
    07/09/2012

    Oi Elton! Cara, eu achei o Blanka mais troo para se falar sobre, o lance com o Sean foi só uma brincadeirinha para não se esticar demais HAHAHA. Eu esqueci de colocar no post avisando que não ia citar os crossovers acho que é um capítulo a parte. Só falei do crossover com o Tekken no comecinho para ilustrar. Mas o que cê acha da gente escrever um post só sobre os melhores crossovers de todos os tempos?

  5. leandro(leon belmont) alves
    07/09/2012

    parabéns a série. e sou muito mais o Street Fighter 3 e o Street Fighter EX, que nem foi mencionado aqui…

    e esses são melhores do que o SF IV. para ser franco

    sobre o Sean…ele é aluno do Ken e merece crédito, ele foi mal treinado pelo Masters e se vira no torneio como pode. sem falar que é um brasileiro soltador de hadouken, isso é para ser motivo de comemoração, podiam ter botado alguém lutando capoeira, mas o pessoal da Capcom não fez isso. graças a Deus por isso.

    Sean é melhor que um playboy e um mendigo que aposto que ele ainda é virgem até hoje.

    no mais, bom o seu post de estreia.

    • Siri
      10/09/2012

      Capoeira? Serve a Elena?
      Na verdade ela seria uma brasileira mas como já tinha personagens brasileiros demais na série deram um “jeitinho japonês” e fizeram ela virar africana (aliás, é a única na série?).

      Sean é tão triste que parece um leftover do jogo. Umas sobras de protótipo do Ryu com Dan e uns movimentos de Jiu-jitsu.

      Seria legal um Sodom no SFIV ou o Haggar.

  6. Aline Carvalhal
    07/09/2012

    O Bison ser da Tailândia ou não é problema do G1 que botou interrogação no infográfico huehueheu. Eu dei molinho, deveria ter falado que o Sean é meio zoado também. Nome americano, sobrenome japa e jogador de basquete.

    • Siri
      10/09/2012

      Deveria ter perguntado ao Reuben Langdon que história é essa quando ele veio ao Brasil, rsrs.
      Se eu achar algum maluco de dreads tirando foto com ele por aqui já sei quem é…

  7. Eduardo Peixinho
    07/09/2012

    Seja bem vinda!!!
    Começou mandando muito bem!!! Muitas lembranças bacanas da época do fliper… Gastava fichas e fichas, perdia pra caramba… mas quando fazia final ou ganhava um contra… Não tinha coisa melhor, hehehe. Mesmo com a evolução dos jogos da série, ainda tenho o SFII como o meu preferido…

  8. Aline Carvalhal
    07/09/2012

    Edu, SF II será eterno! É o meu preferido pelas maravilhosas lembranças que estão ligadas a ele, mas é bom ver que a série ainda está aí firme forte. Já jogou o crossover com Tekken? Ta incrível.

  9. The Punisher
    07/09/2012

    Só faltou dizer pra qual(is) console(s) saiu i Street Fighter III. Mas de resto o post foi bem escrito e esclarecedor pra quem não acompanha a franquia há muito tempo.
    Sempre gostei do Sean, acho até lamentável não o terem colocado posteriormente.

    Mais uma girl para o GoW se tornando assim um sexteto, acho muito bom quanto mais pessoa em um time melhor ainda, não que numero de componentes seja sinônimo de qualidade, mas com certeza se são pessoas que levam o que faz a sério mostrando qualidade no que faz certamente vai fazer toda a diferença. Resumindo seja bem vinda Aline.

    Uma observação:
    Alguém mais notou que a sequencia do “Tatsumaki Senpuukyaku” está errada na imagem usada? Notei isso mesmo dia que vi e li a matéria do G1 sobre os 25 anos de Street Fighter.

  10. Eduardo Peixinho
    07/09/2012

    Ainda não joguei… Mas já está a caminho e estou ansioso para por as mãos nele, hehehe

  11. Adriana
    07/09/2012

    Na realidade ninguém sabe a origem de Bison. O cenário dele é na Tailândia, porque é lá que fica a sua base de operações.

  12. Adriana
    07/09/2012

    Street Fighter… motivo de muitas alegrias e discórdias em minha casa.

    Seja bem-vinda, Aline (^.^;).

  13. Leonardo
    07/09/2012

    Whoa, whoa, whoa, isto já está a parecer a Mother Base de Peace Walker cheia de rainhas…ou isso ou as Girls of War estão a transformar-se numa verdadeira seita gamer. Just kidding. Seja bem-vinda, Aline.

    O post está muito bom mas não tenho mais a dizer pois não sou de todo fã de jogos de luta. Ah, mas ao lê-lo fiquei com bastante nostalgia dos finais de 80 e anos 90. Bons tempos em que a indústria focava-se mais no que realmente é importante – os jogos e a diversão obtida com eles -e não no lucro fácil, sem ética, moral e bom-senso, sobretudo com DLC’s e edições ultra, super, mega, extrema especiais.

  14. 07/09/2012

    Nossa que nostalgia, acho que alguns dos melhores momentos que passei com o meu pai foram na frente de um arcade jogando SF :)
    Bem vinda Aline, gostei da apresentação!
    Chegou com atitude :P

  15. givago
    07/09/2012

    Adorei o post Aline Parabens e seja bem vinda !!!

  16. Juliano
    07/09/2012

    Street Fighter 2 é meu jogo favorito de todos os tempos logo, parabéns pelo belo post.

  17. georges
    07/09/2012

    Sou super fa de Resident, mas reconheço que essa nunca foi a maior franquia da Capcom. Sim, a saga do T-vírus vendeu mais, só que Street Fighter foi lançado em uma época em que os fliperamas estavam em alta enquanto Resident Evil chegou na época dos consoles de mesa. Não teria como street fighter vender mais sendo que, mais ou menos, 20 pessoas disputavam uma máquina de fliperama enquanto que cada fã da série de zumbis tinha o seu exemplar em casa.
    Enfim, ótimo post e seja bem vinda Aline!!!!!!!!!!

    PS:Perdão pelos prováveis erros de português XD. Escrever atrasado é TENSO!!!!!!!!!

  18. Edison
    08/09/2012

    saudade de chegar da escola, pegar as moedinhas pra ir no fliperama no bar da esquina pra jogar SFII, aqui ainda era aquelas versoes editadas onde o shoryuken ia ate o fim da tela e o hadouken ia fazendo zigzag, a shun-li girava igual um ventilador e se levace um combo triplo do shoryuken ia 80% da vida

    Bem vinda Aline e fico muito bom o post

  19. Sovereign
    08/09/2012

    Mais uma girl *.* Aline gosta de jogos de luta pelo visto, eu nunca joguei sf a serio, alias nunca comprei um jogo da franquia, só joguei com amigos. Único jogo que gostava era soul calibur, mas a partir do IV torci o nariz. Uncharted e heavy rain realmente foram ótimas surpresas junto com assassins creed, esta faltando novas idéias, só seqüência acaba enjoando, caso não saibam evoluir direito.
    Agora que o blog tem 5 girls com ps3 poderiam fazer um co-op e postar no YouTube pra divertir nos leitores, rs e também fazer um novo postcad, comentado o que esperam do reboot da Lara Croft, dos novos last of us, watch dogs, two souls(acho que eram esses os títulos)

  20. 08/09/2012

    Bacana a matéria. Sempre visito o GoW e encontrar matérias sobre minha série favorita é bom demais.

  21. 08/09/2012

    ótimo post. o mais impressionante do SF2 é que ele ainda é muito bonito mesmo hoje em dia. SF4 é um dos meus 5 jogos preferidos dessa geração. se o multiplayer prestasse (leia-se: LAG mesmo com uma net de 15MB contra oponentes Br) eu jogava todo santo dia, mesmo esfolando os polegares rsrsrs

  22. The Punisher
    08/09/2012

    Essa imagem usada no banner do blog como chamada para o post e também no início do mesmo é bem legal, a arte usada no CAPCOM Vs SNK, um ótimo crossover, diga-se de passagem, tanto CAPCOM Vs SNK como o CAPCOM Vs SNK 2, bons tempos e da saudade do meu Dreamcast.

  23. Lucas
    08/09/2012

    Ryu Hoshi e Ken Masters não são os primeiros lutadores de caratê a usar um karate-gi e disparar projeteis de energia Chi nos jogos de luta.
    Os personagens e os jogos de luta da Capcom e da SNK receberam a influência de três mangás e animes populares das décadas de 1980 e 1990: Hokuto no Ken (Fist of the North Star), Dragon Ball e Ranma 1/2.

    As séries Fatal Fury e Art of Fighting foi realmente criado por ex-funcionários da empresa Capcom, Hiroshi Matsumoto e Takashi Nishiyama , que trabalharam no original Street Fighter de 1987. Isso explicaria por que Ryo Sakazaki e Robert Garcia eram muito parecido com Ryu Hoshi e Ken Masters, em primeiro lugar.
    Robert Garcia representa um lutador de caratê rico, playboy e festeiro, cujo rival amigável é seu melhor amigo Ryo. Robert Garcia foi apresentado dessa maneira enquanto que Ken Masters tinha apenas desenvolvido este aspecto de sua personalidade pouco depois do lançamento de Art of Fighting.

    • The Punisher
      09/09/2012

      Bom…Hokuto no Ken foi o primeiro mangá no estilo Shonen com porrada e artes marciais, inspirando várias obras hoje também lendárias, como: Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco, Naruto, Bleach, etc… Ou seja, tudo quanto é manga e anime que vieram depois têm influencias de Hokuto no Ken pode se ver várias referencias de Hokuto no Ken nesses demais, aliás, não só no mangas e animes do estilo, mas também em quase todos pra não dizer todos os games de luta.

      Desculpem pelos erros, isso é que da passar pela correção do word.

  24. douglas
    08/09/2012

    Simplesmente o melhor jogo de luta ja feito . Vlw capcom .e vlw essas moças do Girls of War .

  25. Sputnik
    08/09/2012

    Aih, eu não queria falar nada não pra não causar inveja na galera, mas ó… (preparem-se!) minha mãe tinha uma lanchonete conhecida como O point de fliperama do bairro. É isso mesmo :O! Era o segundo point do bairro e o mais frequentado da galera, pois tinha os jogos mais irados da época. Eu tinha lá meus 7~10 anos de idade (não me lembro bem) e ajudava em algumas tarefas em troca de umas fichas pra dar porrada no pessoal. E eu era muito bom nisso inclusive – dar porrada no pessoal -. Já dá pra imaginar quem era o boss da parada, né? Porra, eu ficava o dia inteiro jogando SF (e KoF) pra, de tarde, quando o pessoal saía do colégio, eu tirar a ficha deles na porrada (mas mesmo ganhando, eu nunca ficava com a ficha, uma vez que o cliente/mais forte tem sempre razão. Sempre!).

    Mas então, me lembro de ter jogado uma versão zuadona de SF 2 uma vez. Além dela ser mais rápida – que já deixava o jogo bem mais tenso -, o cara que instalava as máquinas configurou uma dificuldade extreme fucking sick pra neguinho gastar mais fichas tentando fechar o game. Foi então que a galera desenvolveu um “macetinho” que consistia em: pular, dar hadouken, pular de novo, dar hadouken e repetir isso até o personagem chegar no topo da tela, dar a volta e reaparecer embaixo novamente. Isso se repetia até a terceira tela, onde cê podia dar um Trek Trek Trugen e ver seu personagem descer as três telas dando dano no inimigo e tornando-se invulnerável aos golpes dele nesse meio tempo. Só que era muito try hard pra conseguir.

    Nossa, esse post me trouxe muitas lembranças desse tempo. Sem dúvidas a melhor época da minha vida, e nem é o saudosismo falando não, é que foi uma época foda pá caralho mesmo. Foi entre, sei lá, final de 90 e 2008 eu acho. Foi irado demais. Por isso amo SF (e KoF). Não foram eles que marcaram época na minha vida, foi a época que marcou eles nela (que lindo isso *-*).

    Então é isso, peço desculpas aí pelo ENORME COMENTÁRIO GIGANTE – que já fazia tempo q’eu não mandava, então soponho que esteja perdoado – e um ABRAAAÇO à todas vocês, Girs of War. Valeu!

    PS: Já dei as boas vindas pra Aline no Twitter. Eu era o Joey, btw.

  26. Alessandro Messias
    09/09/2012

    Olá Aline seja bem vinda, post bacana e me trouxe muitas lembranças inclusive a sorte de jogar em um desses flipers modificados quando eu morava em cidade ademar/SP, onde era possivel encher a tela de hadoukens e sonic boom ^^ good times.

  27. Frango
    09/09/2012

    Oro é brasileiro tbm se não me engano.
    =P
    curiosidade do Sean: no 2nd impact ele é o melhor char do jogo, já no 3rd strike ele é o pior, impossivel jogar com ele competitivamente

  28. 09/09/2012

    Eu tinha o primeiro Street Fighter no meu 386. O Engraçado é que o monitor era preto e branco então meus primeiros games (Prince of percia, Street Fighter e outras aberrações) eram cinzas kkk

  29. Siri
    10/09/2012

    http://www.youtube.com/watch?v=_BKVt4Vj6Sg
    Abertura de Aline para Aline. :)

    Esses números estão corretos? SFIV vendeu míseras 1,6mi pra TRÊS plataformas, o mesmo que SFII SOMENTE NO MEGA e BEM MENOS que só no SNES? E isso levando-se em consideração a base instalada atualmente?
    Essa criançada de hoje em dia precisa comer mais coxinha e tomar mais choco milk… tsc, tsc. u_u~

    “Outros jogos poucos conhecidos são o Street Fighter II Movie inspirado no filme vergonhoso da série onde o jogador controla Cyborg”

    Aline, você realmente achou o longa de animação vergonhoso ou confundiu ele com o live action? Ou misturou as duas coisas, já que, pelo que me lembro, o Cyborg era o do anime que você evoluía no jogo (que era o próprio longa metragem de animação) e lutava contra Ryu no final.
    O jogo do Van Damme não tinha ele.

    Aliás, aquela luta final com o Cyborg era a parte realmente vergonhosa de tudo. Era pior que o jogo de luta do live action (ou qualquer jogo na face da Terra).
    Embora ele se pareça com SSF2X – até mais bonito – a jogabilidade é terrível como aqueles jogos piratas chineses xexelentos pra SNES. http://streetfighter.wikia.com/wiki/Cyborg

    Pouca gente ouviu falar das versões “adulteradas” de SF. Eram exclusivas para árcades e cheias de detalhes incomuns do tipo poder mudar os personagens no meio do jogo, dar múltiplas magias ou golpes no ar e pular as telas. A maioria desses árcades premiados estava na Ásia, mas existia no Brasil. (só não sei onde lol).

    “Onde”?! “Pouca gente ouviu falar”?!
    Ô loco, bicho! :P
    Famoso “Street Fighter de Rodoviária” ou “Street Fighter de Boteco”.

    Quem é dessa época sabe das regras:
    – Não vale pegar tonto (com tantos golpes apelativos, ficar tonto era ainda mais apelativo)
    – Não vale dar cotovelada (no cara do joystick ao lado mesmo, não nos personagens; pra não atrapalhar os combos apelões)
    – Não vale dar “Pilão Psicológico” (o Pilão Giratório do Zangief pegava a qualquer distância e até mesmo no ar e ainda poderia ‘cair infinitamente’, atravessando o chão e voltando a cair do céu até que o fulano decidisse parar e acabar com a vida toda só com esses pilões acumulados)

    As mais comuns no Brasil devem ser os hacks Rainbow Edition e M7 (o melhor em minha opinião).

    Diz a lenda que a Capcom resolveu se utilizar dessas lambanças (pulos enormes, hadouken no ar, golpes abusivos e mútiplos, troca de personagens) pra criar o conceito da série Versus.

    Bem bacana isso, assim como a lenda da criação do Gouki, através do 1o. de abril da EGM.

  30. Jejé
    10/09/2012

    Bem vinda ao time, Aline! ^^
    Seu post ficou muito bacana, eu adoro Street Fighter! Apesar de não ser boa em jogos de luta em geral, eu gosto pra valer… Acompanho novidades, campeonatos e etc, mas só. Jogar que é bom… hahaha! :P

  31. bquarkz
    11/09/2012

    Joguei muito SFII. Na minha infância, gastei um punhado de fichas no buraco sujo que tinha aqui ao lado de casa só para tentar passar pelo Sagat. Mas, meu apreço pelos SF da vida terminou quando conheci a série King of Fighters. Esta passou a fazer meu coração bater mais forte.

    O primeiro street eu joguei. Joguei depois que já tinha jogado o segundo. E foi uma verdadeira bosta. Os controles eram uma desgraça, além do fato que o design dos personagens era de dar nojo.

  32. 16/09/2012

    Parabéns ao artigo e bem-vinda a bordo a nossa linduxa Aline. Espero ver uma menina bem participativa, e mantenha contato. u.u

  33. helisonbsb
    26/09/2012

    bons tempos de street fighter!!!!parabéns,,,,joguei muito no buteco do seu zé,,,e hoje em dia estou sem tempo,,,mas sempre que posso,,,jogo street fighter II do snes da vida ainda!!!!valeu

  34. 28/09/2012

    JOGO LEGAL

  35. lucas daniel
    18/11/2012

    muito heavy metal lml y

  36. jobman
    16/02/2013

    Gente façam uma matéria sobre uma personagem pouco lembrada da séria alpha please…Rainbow mika,pois existe uma considerável galera que gosta dela por aí inclusive este que vos escreve!!

  37. Gustavo
    14/01/2014

    O Street 1 existiu sim, eu tenho 35 anos e joguei, foi +- em 1987, eu joguei num Playtime de ficha, eram poucos lutadores que podíamos escolher.

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.